Cúpula na Bahia discute Alca sem EUA e com Cuba

Além do encontro América Latina-Caribe, Costa do Sauípe sedia a reunião semestral do Mercosul

, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2008 | 00h00

O governo Luiz Inácio Lula da Silva prepara sua última cartada para tentar consolidar o Brasil na condição de líder da América Latina. Sob seu comando, os 33 países da região se reúnem na quarta-feira, na Costa do Sauípe (na Bahia), para lançar um projeto de integração e um foro político dissociado dos EUA.Maturada lentamente desde o início do governo Lula, em 2003, essa versão redesenhada da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), processo de integração abortado em 2005 pela trinca Brasil-Argentina-Venezuela, dará um contorno à região muito diferente do imaginado por Washington. Ela incluirá Cuba e excluirá o Canadá e os EUA - estrategicamente, a um mês da posse de seu futuro presidente, Barack Obama. A Cúpula da América Latina e Caribe (CALC) ocorrerá logo depois das reuniões de três outros foros regionais da região. Amanhã e terça-feira, o Mercosul tentará encontrar em sua reunião semestral uma possibilidade de recuperação após cinco anos de estagnação. O bloco deverá aprovar medidas que lhe dêem mais consistência - como a adoção de um Código Aduaneiro. Ainda na terça-feira, ocorrerá a cúpula da União de Nações Sul-americanas (Unasul) e uma sessão-relâmpago do Grupo do Rio (foro político que caiu em desuso há anos), para formalizar o ingresso de Cuba. Por ordem do presidente Lula, as consultas oficiais aos outros 32 países sobre a organização do evento e a montagem do novo foro multilateral começaram em fevereiro. Mas essa iniciativa está no topo de uma estratégia calculada pelo Itamaraty, que começou com a negociação da Unasul, a partir de 2004, apesar da resistência do México, que acabou excluído até mesmo como observador.A CALC, envolverá os 33 países da região e seus blocos regionais - Mercosul, Comunidade Andina (CAN), Sistema de Integração Centro-americano (Sica), Caricom, Associação Latino-americana de Integração (Aladi), Unasul e Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba). Segundo o ministro Paulo França, diretor do Departamento de Integração Econômica Regional do Itamaraty, não se trata de uma iniciativa "contra um país" nem de um projeto de liberalização comercial, como foi a Alca. O evento reforçará o plano de expansão da influência brasileira num espaço regional que se estende até o Rio Grande, na fronteira do México com os EUA. Dos 33 países da região, 29 serão representados por seus chefes de Estado, para a satisfação do Palácio do Planalto e do Itamaraty. Embora uma declaração oficial esteja em negociação, com foco nos desafios da integração e do desenvolvimento da região em um período de crises financeira, energética, alimentar e ambiental, os líderes que quiserem poderão falar sobre o que bem entenderem. Esse formato aberto da primeira reunião deixa claro o caráter simbólico desse encontro, a exemplo de outras iniciativas pioneiras do Brasil, como a cúpula da América do Sul e dos Países Árabes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.