Arte/Estadão
Arte/Estadão

Cúpula sobre Ucrânia na Bielo-Rússia tenta definir plano de paz

Horas antes do encontro, 19 soldados ucranianos e 6 civis morreram em confrontos no leste ucraniano; presidente descarta federalização

O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 11h40

 KIEV- Representantes da França, Alemanha, Ucrânia e Rússia participam nesta quarta-feira, 11, em Minsk, na Bielo-Rússia, de uma reunião de cúpula para elaborar um novo plano de paz para o conflito ucraniano. Horas antes do encontro, 19 soldados ucranianos e 6 civis morreram em confrontos no leste ucraniano.

Participarão do encontro os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, da Ucrânia, Petro Poroshenko, da França, François Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel.

Mais cedo, Poroshenko disse que Kiev declarará lei marcial se continuar a escalada do conflito no leste do país. "Infelizmente, temos que estar preparados para duas variantes: para a paz e para defender o país", afirmou Poroshenko durante uma reunião do governo. "Tenho certeza que o país será capaz de se defender. Somos a favor da paz, mas é preciso defender nosso país até o final."

Momentos antes das negociações na capital bielorrussa, Poroshenko afirmou que Kiev não quer nem ouvir falar da  proposta de federalização defendida pela Rússia. "A descentralização que estamos preparando não terá nada em comum com a federalização. A Ucrânia foi e será um Estado unitário", comentou.

O presidente ressaltou ainda que em nenhum caso Kiev delegará as funções de defesa nacional para as regiões do leste, o que não permitiria que os rebeldes mantivessem batalhões locais ou milícias populares.

Conflito. No leste do país, onde tropas do governo enfrentam rebeldes pró-Rússia, 19  soldados ucranianos foram mortos e 78 ficaram feridos em ataques perto da cidade ferroviária estratégica de Debaltseve, que está sendo protegida por tropas do governo, disse um porta-voz das Forças Armadas nesta quarta-feira.

"Em bombardeios, ataques de mísseis e confrontos militares, a Ucrânia perdeu 19 soldados, incluindo 17 membros das Forças Armadas e dois soldados do Ministério do Interior", disse o porta-voz, Vladyslav Seleznyov.

Em Donetsk, pelo menos seis civis morreram  e outros oito ficaram feridos por fogo de artilharia. Segundo a prefeitura da cidade, que é ligada aos rebeldes, os projéteis de artilharia caíram sobre uma estação de transporte pública Tsentr.

Ontem, pelo menos 15 pessoas morreram e outras 63 ficaram feridas por um bombardeio com mísseis em Kramatorsk, cidade a 100 quilômetros ao norte de Donetsk, controlada pelas forças governamentais.

De acordo com dados da ONU, mais de 5,3 mil pessoas, entre combatentes e civis, morreu nos quase dez meses de conflito armado nas regiões orientais da Ucrânia. /  REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.