AFP PHOTO / SAFIN HAMED
AFP PHOTO / SAFIN HAMED

Curdistão conclui votação de referendo de independência

Resultado pode ser conhecido nesta terça-feira; imprensa local fala em 'avalanche de sim'

O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2017 | 19h10

ERBIL - As seções eleitorais no Curdistão iraquiano foram fechadas nesta segunda-feira, 25, às 19h (hora local), com atraso de uma hora, no referendo que decidirá sobre a independência da região autônoma do Iraque.    

Segundo a Alta Comissão Eleitoral do Curdistão, a votação foi ampliada em uma hora em razão do grande número de cidadãos que participaram. O referendo vai decidir se a região, que possui um status de autonomia em relação ao governo central do Iraque, deve se tornar independente.    

De acordo com a imprensa local, é esperado uma "avalanche de sim". No entanto, mesmo com a votação, a independência pode não ocorrer em curto prazo. 

De qualque forma, a iniciativa de levar a população às urnas foi aplaudido pelos líderes curdos como um fato histórico. Os primeiros resultados oficiais do referendo podem ser divulgados nesta terça-feira (26). A contagem dos votos pode durar entre 24 e 48 horas. 

Hemin Hawrani, assessor do presidente do Curdistão iraquiano, Masud Barzani, indicou que a participação era de 76% da população até às 17h (local).    

Mais de 5,3 milhões de curdos estavam aptos a votar em quatro províncias da região e nos territórios disputados entre o Curdistão e o Iraque, as províncias de Kirku, Diyala e Ninawa.    

De acordo com o chefe do Departamento de Polícia de Kirkuk, Sarhad Qader, o governador da região impôs toque de recolher logo após o fechamento das urnas. A medida durará até às 6h da manhã desta terça-feira, 26. Para ele, a medida se tornou necessária para "proteger os civis e as comunidades" na cidade. 

Os curdos iraquianos votaram hoje para buscar independência do Iraque, apesar da oposição de Bagdá e de quase todos os países da região, exceto Israel.    

Na última semana, a Turquia disse que tomaria medidas de segurança em resposta ao referendo por considerar um "erro terrível". Por isso, o país fortaleceu os controles na fronteira de Habur com o norte do Iraque, assim que as urnas foram abertas. Essa é a primeira das reações de Ancara após repetidas ameaças.    

No entanto, até o momento, a fronteira está "aberta", segundo informou o governo. Em nota divulgada hoje, a Turquia também reiterou que não reconhece o referendo e convidou a comunidade internacional a fazer o mesmo. 

A Turquia está pronta para tomar "qualquer medida" diante de possíveis ameaças à sua "segurança nacional" decorrente da votação, ressaltando os riscos de "elementos radicais e terroristas" entrarem em ação. / Ansa 

Mais conteúdo sobre:
Curdistão Iraque [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.