Curdos avançam contra Estado Islâmico na cidade síria de Kobani

Combatentes curdos avançavam neste sábado pela disputada cidade síria de Kobani, após pesados confrontos com integrantes do grupo Estado Islâmico, disseram uma autoridade curda e um grupo ativista.

Estadão Conteúdo

20 de dezembro de 2014 | 12h42

Nawaf Khalil, porta-voz do Partido União Democrática curda, disse que combatentes curdos avançaram em seis bairros e cercaram o centro cultural, tomado pelo Estado Islâmico, no leste da cidade.

Ele afirmou também que combatentes curdos tomaram a escola Yarmouk, a sudeste de Kobani, onde os corpos de oito membros do Estado Islâmico foram encontrados.

O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos disse que a principal força curda síria, conhecida como Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla curda), matou vários integrantes do grupo extremista.

O Estado Islâmico iniciou sua ofensiva a Kobani em meados de setembro, capturando partes da cidade, assim como dezenas de vilas próximas. Centenas de combatentes dos dois lados foram mortos desde então.

Forças curdas têm gradualmente provocando um recuo dos extremistas nas últimas semanas, com a ajuda de ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

O avanço em Kobani acontece um dia depois de combatentes do YPG terem aberto um corredor entre suas posições no nordeste sírio e o monte Sinjar, no vizinho Iraque, onde combatentes peshmerga também participam da ofensiva. Durante a semana, combatentes peshmerga iraquianos também conseguiram abrir outro corredor para o monte Sinjar.

O Conselho de Segurança da Região Curda Iraquiana disse que combatentes peshmerga lançaram uma nova ofensiva no sábado na direção do monte Sinjar e conseguiram capturar Mushrefa, uma área próxima.

O comunicado diz que na manhã de sábado, 32 caminhões cheios de comida, água e outros materiais saíram da cidade de Irbil, norte do Iraque, em direção ao monte Sinjar, passando pelo "corredor estabelecido pelas corajosas forças peshmerga".

O grupo Estado Islâmico capturou quase um terço do Iraque e da Síria no decorrer do ano.

No início de agosto, os militantes tomaram as cidades iraquianas de Sinjar e Zumar, fazendo com que dezenas de milhares de pessoas da minoria yazid fugissem para a montanha, onde ficaram presos. Muitos foram levados por via aérea, por uma passagem síria, para o Iraque, onde encontraram refúgio na região semiautônoma iraquiana do Curdistão. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.