Vadim Ghirda/AP
Vadim Ghirda/AP

Curdos declaram domínio total sobre Kobani

Após mais de quatro meses de combates com os radicais do Estado Islâmico; cidade síria está completamente sob o controle do Exército curdo

O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 17h37

KOBANI - Forças curdas declararam nesta terça-feira, 27, que retomaram 100% da cidade de Kobani, cujo controle era disputado com forças do grupo extremista Estado Islâmico (EI) há cerca de quatro meses. A cidade está completamente sob o controle do Exército curdo, afirmou Idres Nassan, um oficial designado para a cidade.

As tropas curdas tentam aproveitar o momento para libertar outras 400 cidades e vilarejos da região, que ainda estão sob controle da milícia, disse Nassan. Milhares de soldados do Estado Islâmico controlam essas locais, que foram esvaziados em setembro porque seus moradores temiam um massacre.

Com a captura de Kobani, muitos dos refugiados tentam agora voltar para suas casas. Na terça-feira, algumas famílias já tinham começado o caminho de volta para a cidade, que está destruída por meses de confronto.

Nassan, entretanto, pediu paciência aos refugiados, uma vez que boa parte de Kobani ainda está inabitável. A cidade está sem hospitais e o entulho está cheio de explosivos não detonados. "Não há água ou eletricidade, e os prédios estão destruídos", disse.

Alguns grupos de refugiados se voluntariaram para limpar a cidade, tarefa que envolve recolher o entulho e os escombros dos prédios, remover minas e bombas que não explodiram e retirar corpos das ruas.

"Os refugiados devem poder voltar à cidade em cerca de um mês", afirmou Khaled Barkal, vice-prefeito da administração curda da cidade. "Precisamos de tempo para reconstruir a cidade e criar alguns abrigos temporários antes que eles retornem." / DOWN JONES 

Tudo o que sabemos sobre:
SíriacurdosKobani

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.