Curdos protestam contra Erdogan em Frankfurt

Manifestantes chamaram Erdogan de 'terrorista' e pediram liberdade ao líder preso do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, Abdullah Ocalan

O Estado de S. Paulo

18 de março de 2017 | 11h55

Cerca de 9 mil pessoas, a maioria de origem curda, protestaram nas ruas de Frankfurt, na Alemanha, contra o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, e o referendo que acontecerá em abril e poderá dar novos poderes ao comandante turco.

Os manifestantes chamaram Erdogan de "terrorista" e levantaram bandeiras e cartazes com a frase "liberdade para Ocalam", em referência a Abdullah Ocalan, líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que está preso. Tanto a União Europeia quanto os Estados Unidos consideram o partido um movimento terrorista.

Centenas de policiais foram designados para acompanhar o protesto, que ocorreu pacificamente. 

Na última quarta-feira (15), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Martin Schaefer, declarou que a Alemanha concordou em permitir que cerca de 1,4 milhões de turcos que vivem na Alemanha possam votar no referendo que pode mudar 13 pontos da constituição turca e dar mais poderes ao atual presidente.

Alemanha e Turquia vivem um momento diplomático delicado, desde que ministros turcos foram impedidos de realizarem comícios em território alemão. Com informações da REUTERS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.