Custo foi de US$ 20 milhões, diz presidente

COPIAPÓ, CHILE

, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2010 | 00h00

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, estima que até US$ 20 milhões foram gastos no resgate dos 33 trabalhadores presos na mina San José. Segundo o jornal chileno La Tercera, porém, o custo total da operação de salvamento teria chegado a US$ 22 milhões. A custosa estrutura que permitiu o êxito da operação envolveu brigadistas com 20 anos de experiência em mineração, funcionários da empresa estatal Codelco - considerada a maior mineradora do país - e militares da Marinha chilena especialistas em fugas de espaços confinados.

Também foram levados ao Chile técnicos estrangeiros acostumados a lidar com situações extremas: um nutricionista, um psicólogo e um engenheiro da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) auxiliaram os mineiros durante os 70 dias de isolamento no escuro.

Com 53 cm de diâmetro, a cápsula Fênix 2 percorreu por quase 24 horas os cerca de 700 metros que separavam os mineiros presos. Um cabo de aço com capacidade de suportar até 54 toneladas de peso movia a sonda pelo túnel cavado pela perfuradora T-130. Cada viagem durava entre 9 e 20 minutos para subir ou para descer ao refúgio que abrigava os trabalhadores. Pequenas rodas foram instaladas ao redor da cápsula para absorver os impactos durante o trajeto. E a inclinação do túnel que chegou às vítimas facilitou o resgate.

Demora. Os donos da Compania Minera San Esteban Primera, que administra a mina San José, demoraram horas para avisar as autoridades locais sobre o acidente e são acusados pela população, por trabalhadores do setor e por inúmeros oficiais do governo de serem responsáveis pelo acidente. A empresa passa por uma auditoria interna de seus bens e dívidas para determinar se declara ou não falência.

Parentes de mineiros já ajuizaram ações pedindo um total de US$ 10 milhões de indenização aos responsáveis pela mina San José, ao mesmo tempo em que promotores de Justiça chilenos acusam criminalmente os donos da empresa que explorava o local. As denúncias dos familiares e das autoridades se referem Às más condições estruturais para mineração. Tábuas eram usadas para reforçar as paredes do depósito da mina, em vez de colunas de aço.

"Nunca mais permitiremos que, em nosso país, pessoas trabalhem em condições tão inseguras como as da mina San José", disse ontem o presidente Piñera. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.