REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

Ex-'Sex and the City' defende ar-condicionado menos sexista em NY

Cynthia Nixon, atriz que encarnou Miranda Hobbes no seriado ‘Sex and the City’, desafia o governador democrata de Nova York ao encampar idéias progressistas

O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 20h23

Quando a atriz Cynthia Nixon, famosa por seu papel como a advogada Miranda Hobbes no seriado Sex and the City, decidiu desafiar o governador de Nova York, Andrew Cuomo, nas primárias do Partido Democrata, ela fez um vídeo atacando políticos e Cuomo por envolvimento com “corruptos”. Ela captou o espírito do seu tempo, que mostra os democratas cada vez mais à esquerda. Sua plataforma de campanha, totalmente progressista, defende o aborto, igualdade de gêneros, direitos LGBT, legalização da maconha e acesso à educação pública. 

Mas o tema que dominou a semana anterior ao esperado debate entre Nixon e Cuomo, nesta quinta-feira, 30, foi a temperatura do ar-condicionado. Assessores de Cynthia exigiram que o termostato no estúdio montado na Universidade Hofstra ficasse em 24 graus. O governador é conhecido por apreciar temperaturas quase polares, na faixa dos 12 a 15 graus. Segundo os assessores de Nixon, historicamente ambientes de trabalho mantêm temperaturas que agradam os homens, enquanto mulheres passam frio. 

Nixon venceu: o termostato do ar-condicionado ficou em 24 graus. Já a temperatura do debate foi bem maior. Houve bate-bocas, divergências e troca de acusações. Cuomo, que tem o dobro das intenções de votos de Nixon e tenta seu terceiro mandato, confrontou a atriz por sua inexperiência e criticou suas propostas, “frutos da ficção”.

Enquanto isso, Nixon tentava puxar os holofotes para os casos de corrupção que respingaram sobre nomes próximos ao governador, como Joe Percoco, ex-assessor político de Cuomo condenado em março por receber US$ 300 mil em propinas. “Posso não ter experiência política, mas ando nos metrôs em ruínas da cidade e sei o que a população precisa”.

Nixon, de 52 anos, se envolveu na política em 2006. Ela começou a desenvolver trabalhos e projetos para melhorar o ensino público em Nova York no governo do prefeito Michael Bloomberg. 

Em seguida, encampou a defesa dos direitos LGBT. Um de seus três filhos é transgênero. Em 2010, participou ativamente de uma campanha pública para remover dos cargos os políticos de Nova York que tivessem votado contra a igualdade de direitos no casamento. 

Ao desafiar Cuomo nas primárias democratas, que ocorrem em 13 de setembro, a atriz percebeu a guinada à esquerda do partido e acena para os eleitores de Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez, que se tornou a candidata democrata ao Congresso em distrito de Nova York ao derrotar um medalhão do partido, Joseph Crowley, nas prévias de junho.

O eleitorado de Nixon é participativo e combativo. Seus eleitores costumam se apresentar com a frase “Eu sou Miranda, futura governadora de Nova York”. As chances de Nixon são pequenas. Na última pesquisa divulgada, Cuomo tem 59% das intenções de voto. Cynthia, 29%. Mas a atriz sabe que plantou uma semente política que pode vingar nas próximas eleições. / W.POST e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.