Joseph Prezioso/AFP
Joseph Prezioso/AFP

Da festa à tragédia: 7 mortos e 177 infectados pela covid-19 em casamento nos EUA

Cerimônia extrapolou limite de convidados e forçou cidade a entrar em novo isolamento

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2020 | 04h00

Deveria ficar na lembrança como uma celebração de amor em pleno verão na pitoresca cidadezinha de Millinocket, Maine. Mas a festa de casamento terminou com sete mortes e pelo menos 177 pessoas infectadas pelo coronavírus.

A festa, realizada no dia 7 de agosto, tinha 65 convidados, mais do que os 50 permitidos. Eles primeiro compareceram a uma cerimônia em uma igreja batista, e depois a uma recepção no Big Moose Inn, ambos perto de Millinocket, uma cidade de 4 mil habitantes.

Dez dias depois, 24 pessoas ligadas ao casamento testaram positivo para a covid-19, e o Maine Center for Disease Control abriu uma investigação.

O diretor do Centro, Nirav Shah, informou na última quinta-feira, 17, em uma coletiva de imprensa que, como resultado do casamento, havia pelo menos 177 pessoas infectadas. Sete morreram, embora "nenhuma vítima fatal tenha estado presente na festa". 

Os "detetives" que tentam encontrar todas as pessoas que entraram em contato com os infectados vincularam o casamento a vários focos do vírus em todo o Estado do Maine, na fronteira com o Canadá. 

Um total de 39 casos e seis mortes ocorreram em um lar de idosos a 160 km de Millinocket, mais de 80 casos foram identificados em uma prisão a 370 km do local do casamento - um dos guardas compareceu à cerimônia - e há 10 casos prováveis em uma igreja batista na mesma região. 

Para Maine, que inicialmente adotou regras muito rígidas de confinamento e distanciamento social, mas depois as relaxou devido ao seu índice de infecção muito baixo, o que aconteceu foi um lembrete de que não se deve baixar a guarda contra o vírus.

"Quando descobrimos o que aconteceu, todos voltaram para a quarentena (...) Tudo fechou na cidade", disse Cody McEwen, presidente da Câmara Municipal, à Agência France Press.

Imprudência

Alguns moradores da cidade estão furiosos com os organizadores do casamento, a começar pelo salão onde foi realizado, e cuja licença foi temporariamente suspensa.

"Não deveriam ter organizado aquele casamento. Deveriam ter limitado a 50 pessoas", lamentou Nina Obrikis, membro da Igreja Batista local. "Agora não podemos ir a lugar nenhum, não podemos fazer nada".

A governadora do Maine, Janet Mills, emitiu um alerta na quinta-feira para 1,3 milhão de residentes do pequeno Estado altamente rural, cuja taxa de contágio é de 0,6%. 

Este aumento de casos "ameaça arruinar o progresso feito" em face da pandemia, afirmou. "Não estamos do outro lado do túnel da covid-19, o vírus está em nossos jardins", enfatizou.

Desde o início da pandemia, uma série de eventos foi relacionada a um número exponencial de casos. Os primeiros nos Estados Unidos estavam ligados uma conferência de biotecnologia em Boston em fevereiro, onde cerca de 175 pessoas participaram, e a um enterro na Geórgia, onde mais de 100 pessoas foram infectadas com o vírus.

Nas últimas semanas, ocorreram vários surtos, principalmente em campi universitários, como resultado de festas. Algumas faculdades tiveram que fechar suas portas e mandar os alunos para casa.

Na Universidade Oneonta, no interior do Estado de Nova York, mais de 670 casos foram detectados em um mês. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.