Da janela, duas torres no nada para pensar

Gerald Thomas, dramaturgo brasileiro morador de Nova York

Flávia Tavares - O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2011 | 16h00

ESPECIAL: Dez Anos do 11 de Setembro

 

SÃO PAULO - Contemplativo, Gerald Thomas costumava divagar sobre o que escreveria para uma coluna que mantinha olhando para o nada pela janela de seu escritório, em Williamsburg, no Brooklyn. Não exatamente para o nada, mas para o World Trade Center, já tão fincado na paisagem que nem se destacava mais. Até aquela manhã dos ataques. "Alguém me ligou histérico dizendo para eu ir para a janela. Fiquei trêmulo, atônito. Enquanto eu estava olhando, veio o avião na segunda torre. Quando a torre caiu, caí junto, com o computador. Só me lembro de chorar convulsivamente."

 

Veja também:

documento ESPECIAL: Dez anos do 11/09

som ESTADÃO ESPN: Série especial

forum PARTICIPE: Onde você estava quando soube dos atentados?

 

O dramaturgo recebeu uma convocação ainda naquele dia para trabalhar nos escombros. "Não tive muito tempo para pensar. Era escrever, ir para o buraco, voltar pra casa e tentar dormir. E era impossível dormir. Fiquei 21 dias nessa ‘rotina’, coberto de poeira e asbesto", lembra. Thomas não dá muitos detalhes sobre esse trabalho, mas, em uma entrevista na época, contou que chegou a fazer triagem de roupas achadas secas, duras de sangue, "na esperança de encontrar documentos, cabelo", qualquer coisa que identificasse a quem elas pertenciam. Também serviu café e suco de laranja para os outros trabalhadores.

 

Na tragédia, Thomas perdeu um advogado e todas as suas secretárias. "Era um escritório com sete advogados no total. Perdi também um editor de vídeos", conta. O clima que se seguiu àquela terça-feira foi de dor e união. "Foram três meses de caos, abraços e choros e a nação virou uma ‘Nação Zumbi’", descreve o dramaturgo. Ele lembra que, aos poucos, "começamos a entender que (Dick) Cheney, (George W.) Bush, (Donald) Rumsfeld, etc, estavam envolvidos, de uma forma ou outra". "Não esperei sair os livros ‘Plan of Attack’ ou o ‘State of Denial’, do Bob Woodward, ou o relatório da Comissão 11/9 para descobrir a m... envolvida ali."

 

Gerald Thomas se divide hoje entre Londres e Nova York e, dez anos depois dos ataques, encenou suas impressões na peça Throats, na capital britânica - que veio para o Brasil com o título Gargólios. Quando fala dos efeitos do 11 de Setembro no que é a cidade hoje, poetiza. "Nós somos góticos. Somos uma cidade de ferro guza. Sabemos nos reerguer com orgulho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.