Da janela, duas torres no nada para pensar

Gerald Thomas, dramaturgo brasileiro morador de Nova York

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2011 | 00h00

Contemplativo, Gerald Thomas costumava divagar sobre o que escreveria para uma coluna que mantinha olhando para o nada pela janela de seu escritório, em Williamsburg, no Brooklyn. Não exatamente para o nada, mas para o World Trade Center, já tão fincado na paisagem que nem se destacava mais. Até aquela manhã dos ataques. "Alguém me ligou histérico dizendo para eu ir para a janela. Fiquei trêmulo, atônito. Enquanto eu estava olhando, veio o avião na segunda torre. Quando a torre caiu, caí junto, com o computador. Só me lembro de chorar convulsivamente."

O dramaturgo recebeu uma convocação ainda naquele dia para trabalhar nos escombros. "Não tive muito tempo para pensar. Era escrever, ir para o buraco, voltar pra casa e tentar dormir. E era impossível dormir. Fiquei 21 dias nessa "rotina", coberto de poeira e asbesto", lembra. Thomas não dá muitos detalhes sobre esse trabalho, mas, em uma entrevista na época, contou que chegou a fazer triagem de roupas achadas secas, duras de sangue, "na esperança de encontrar documentos, cabelo", qualquer coisa que identificasse a quem elas pertenciam. Também serviu café e suco de laranja para os outros trabalhadores.

Na tragédia, Thomas perdeu um advogado e todas as suas secretárias. "Era um escritório com sete advogados no total. Perdi também um editor de vídeos", conta. O clima que se seguiu àquela terça-feira foi de dor e união. "Foram três meses de caos, abraços e choros e a nação virou uma "Nação Zumbi"", descreve o dramaturgo. Ele lembra que, aos poucos, "começamos a entender que (Dick) Cheney, (George W.) Bush, (Donald) Rumsfeld, etc, estavam envolvidos, de uma forma ou outra". "Não esperei sair os livros "Plan of Attack" ou o "State of Denial", do Bob Woodward, ou o relatório da Comissão 11/9 para descobrir a m... envolvida ali."

Gerald Thomas se divide hoje entre Londres e Nova York e, dez anos depois dos ataques, encenou suas impressões na peça Throats, na capital britânica - que veio para o Brasil com o título Gargólios. Quando fala dos efeitos do 11 de Setembro no que é a cidade hoje, poetiza. "Nós somos góticos. Somos uma cidade de ferro guza. Sabemos nos reerguer com orgulho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.