Da trincheira ao diálogo

O conflito de 1973 entre egípcios e sírios, de um lado, e israelenses, de outro, desenrolou-se sobre o pano de fundo da Guerra Fria. Em pouco tempo, a geopolítica do Oriente Médio seria radicalmente transformada.

O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2012 | 03h07

Logo após a guerra, o Egito - país mais populoso do mundo árabe - deixou de lado sua aliança histórica com a URSS para entrar na esfera de influência dos EUA. A transição foi articulada pelo então secretário de Estado de Washington, Henry Kissinger, e suas consequências eram inimagináveis à época.

Distante de Moscou, o presidente egípcio Anwar Sadat ensaiou uma aproximação com Israel, forte aliado dos EUA. O Egito saíra desmoralizado da Guerra de 1967, mas, em 1973, conseguiu abalar o moral dos israelenses, embora não tenha reconquistado seus territórios sob ocupação. Em 1977 - quatro anos após lançar o ataque-surpresa a Israel -, Sadat desembarcou em Tel-Aviv e discursou na Knesset, o Parlamento israelense, em Jerusalém. Dois anos depois, os inimigos históricos selaram os Acordos de Camp David.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.