Dado como morto, soldado japonês reaparece na Ucrânia

Um antigo soldado do Exército Imperial, cuja família não o vê desde que partiu para lutar na Segunda Guerra Mundial e que foi declarado morto em combate em 2000, reapareceu na Ucrânia e está retornando ao Japão a fim de encontrar-se com parentes depois de 60 anos, anunciou o governo. Ishinosuke Uwano, hoje com 83 anos, deve chegar ao Japão na quarta-feira acompanhado de seu filho ucraniano, a fim de passar 10 dias com familiares em Iwate, cerca de 460 quilômetros a nordeste de Tóquio, informou o responsável no Ministério da Saúde e Bem Estar Social pela localização de veteranos de guerra desaparecidos no exterior, Suminori Arima. "É maravilhoso que o senhor Uwano possa fazer uma visita de volta em boa saúde", afirmou Arima. Uwano estava na ilha de Sakhalin, extremo oriente da Rússia, quando a guerra terminou em agosto de 1945, e foi visto oficialmente pela última vez na mesma ilha em 1958. Arima não quis dizer quem o viu na época. Segundo a agência de notícias Kyodo, Uwano mudou-se para a Ucrânia em 1965 e tem agora três filhos, vivendo na cidade de Zhitomir, 150 quilômetros a oeste de Kiev. Convocado em 1943, sua família concordou que ele fosse dado como morto em combate. A decisão só foi tomada em 2000. Arima negou-se a precisar onde exatamente esteve Uwano nas últimas seis décadas, mesmo porquê ele não fez contato com sua família japonesa durante todo esse tempo. Mas recentemente, sentindo a velhice, Uwano, que agora mora na Ucrânia em local não revelado com sua família ucraniana, pediu a alguém da comunidade para ajudá-lo a encontrar seus parentes japoneses. Contatos foram feitos com o Ministério da Saúde, que enviou representantes para entrevistar Uwano na embaixada japonesa em Kiev. O governo do Japão acredita que cerca de 400 ex-soldados japoneses da Segunda Guerra Mundial permaneçam na antiga União Soviética, 40 deles já identificados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.