Dados da CIA sobre Irã são ´infundados´, diz <i>Guardian</i>

Muitos dos dados sobre o programa nuclear iraniano recolhidos pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos são "infundados", segundo fontes diplomáticas que atuam junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) citadas nesta sexta-feira, 23, pelo jornal britânico The Guardian.As afirmações nesse sentido, que lembram o ocorrido antes daGuerra do Iraque, quando Washington apresentou informações falsas, coincidem com o aumento da tensão internacional depois de a AIEA, com sede em Viena, anunciar que o Irã desafiou o ultimato do Conselho de Segurança da ONU.Os EUA acusam o Irã de tentar desenvolver em segredo um programa nuclear militar, mas a maioria das informações sobre os supostos depósitos secretos de armamento iranianos fornecidos à ONU eram falsos, segundo fontes em Viena citadas pelo diário."A maioria (desses dados) se demonstrou incorreto. Apresentaram-nos um documento com uma lista de situações. (Os inspetores) fizeram um acompanhamento e foram a alguns locais, masnão encontraram sinal algum de atividades (nucleares proibidas)",disse uma fonte.PlanosUm tema especialmente polêmico refere-se aos supostos planos defabricação de uma ogiva nuclear que, segundo a CIA, estavam em um laptop fornecido como prova por um informante no Irã.Em julho de 2005, funcionários dos serviços de inteligênciaamericanos mostraram aos da AIEA versões impressas desse material, mas os membros da agência da ONU consideraram que as supostas provas não eram conclusivas para denunciar Teerã."Em primeiro lugar, se alguém tem um programa clandestino, nãopõe os dados em um computador portátil", disse um funcionário, quechamou a atenção sobre o fato de que os dados estavam todos emInglês."Isso (o idioma usado) parece razoável no que diz respeito aosassuntos técnicos, mas se esperava pelo menos algumas notas emidioma persa. Portanto há dúvidas sobre a procedência do computador (portátil)", assinalou uma das fontes.Um funcionário europeu especialista na luta contra a proliferaçãonuclear reconheceu que os dados apresentados sobre o Irã às vezessão imperfeitos, mas acrescentou que isso não pode descartar "quedurante 20 anos (os iranianos) têm violado os acordos sobresalvaguardas"da AIEA."Há uma falta de confiança sobre as verdadeiras intenções doregime", assinalou o funcionário ao jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.