Dalai Lama diz que continuará luta pelo Tibete

O Dalai Lama afirmou hoje que a campanha mundial contra o terrorismo não interferirá em sua tentativa de assegurar autonomia ao Tibete. Em um discurso proferido no Parlamento Europeu, o líder religioso tibetano afirmou que uma solução para os problemas do Tibete é possível, mesmo que as autoridades chinesas endureçam sua posição contra grupos oposicionistas em sua nova ofensiva contra o terrorismo. "Sem dúvida que esta luta global contra o terrorismo é algo urgente, mas a questão do Tibete... continua viva", disse o Dalai Lama aos legisladores europeus. O Dalai Lama conclamou os Estados Unidos e outros países a conversarem com os grupos terroristas, ao invés de atacá-los, para, desta forma, "mudar seu ponto de vista e impressões através do diálogo e não de bombardeios. "A longo prazo, a melhor resposta é a não-violência... métodos violentos não serão apropriados", disse ele. O discurso do líder tibetano foi ovacionado pelo parlamento, composto por 626 membros, uma casa que muitas vezes apoiou o movimento pró-independência do Tibete. No final, o ele reiterou sua disposição de conversar sobre o Tibete com as autoridades chinesas. O Dalai Lama, que em 1989 recebeu o Prêmio Nobel da Paz, deixou o Tibete em 1959 com milhares de seguidores depois de uma revolta sem sucesso contra a administração chinesa. Desde então, ele lidera um governo no exílio na cidade de Dharamsala, no norte da Índia.

Agencia Estado,

24 Outubro 2001 | 12h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.