Dalai Lama encontra manifestantes tibetanos exilados

O Dalai Lama se reuniu naquarta-feira com manifestantes tibetanos em sua base no norteda Índia, enquanto muitos ativistas criticam a supostatolerância do líder espiritual budista em relação à China. O Dalai Lama, que questiona algumas táticas usadas pelosexilados, como passeatas até a fronteira com a China, tentaexplicar aos líderes dos protestos, muitos deles jovens, quesua posição é pela autonomia do Tibet, e não pela independênciaem relação à China. Na véspera, o líder budista ameaçara renunciar ao seu postocaso a violência no Tibet saia de controle. "Ele lhes explicou sobre seus sentimentos e que talvez sejahora de considerar o longo prazo", disse à Reuters ChhimeChhoekyapa, porta-voz do Dalai Lama. "Mas se (os manifestantes)vão ouvir é algo que cabe a eles." O encontro durou cerca de 20 minutos. Os líderes dosmanifestantes em seguida deixaram a residência e foram realizaruma reunião entre si. Vários grupos de exilados, como o Congresso da JuventudeTibetana, defendem táticas como a convocação de um boicote àOlimpíada de Pequim --evento que tem o apoio do Dalai Lama. Na quarta-feira, a China disse haver uma luta "de vida oumorte" contra o Dalai Lama. O regime realiza prisões eendureceu o controle político na tentativa de conter a onda deprotestos no Tibet e em províncias vizinhas. O primeiro-ministro Wen Jiabao acusou nesta semana "acamarilha do Dalai" de coordenar os protestos a partir de seuexílio. O líder budista nega. A polícia indiana parece estar agindo com mais tolerânciaem relação aos manifestantes tibetanos que tentam chegar àfronteira com a China --um grupo foi autorizado a continuar otrajeto. Na semana passada, cerca de cem manifestantes haviam sidopresos por ordem do governo central indiano. Um segundo grupo,que continuou a marcha a partir do ponto da detenção doprimeiro, pôde seguir. Os manifestantes pretendem chegar ao Tibet via Nova Délhi,onde esperam coincidir com a passagem da tocha olímpica pelacapital indiana. "Definitivamente há uma mudança no humor da políciaindiana", disse Tenzin Palkyi, uma dos cerca de 50manifestantes tibetanos, falando por telefone enquanto o grupocaminhava pelo Estado do Punjab. Ela disse que a polícia lhesajuda a encontrar água e a vigiar o acampamento do grupo. (Reportagem adicional de Krittivas Mukherjee em NovaDélhi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.