Dalai-lama reitera apoio aos Jogos de Pequim

O líder tibetano aludiu também aos temores de que os protestos alterem o trajeto da tocha olímpica

EFE

29 de março de 2008 | 06h48

O dalai-lama, líder espiritual e político dos tibetanos, reiterou neste sábado seu apoio à realização dos Jogos Olímpicos na China, cujo governo tenta evitar um boicote em protesto contra a situação no Tibete.   Veja também:   . Confira o canal especial dos Jogos Olímpicos de Pequim . Veja o roteiro da tocha olímpica . História olímpica mistura política e esporte   "Disse que eles (os chineses) merecem acolher os famosos Jogos, porque formam a nação mais povoada do mundo. Minha posição é a mesma, apesar da supressão (da revolta) no Tibete", declarou o lama em Nova Délhi, capital da Índia.   O líder tibetano aludiu também aos temores chineses de que os protestos de refugiados do Tibete na Índia alterem o trajeto internacional da tocha olímpica, que passará por este país a partir de 17 de abril.   "A tocha olímpica é parte dos Jogos e minha atitude sobre ela é a mesma", acrescentou o dalai-lama, citado pela agência indiana PTI.   O embaixador chinês em Nova Délhi, Zhang Yang, advertiu há dois dias ao ministro do Interior indiano, Shivraj Patil, que a China poderia cancelar a passagem da tocha pelo país caso não se garantisse a segurança do percurso, segundo a PTI.   O dalai-lama, que passou a semana em Nova Délhi, ofereceu uma entrevista coletiva após liderar uma oração em memória dos mortos durante a recente revolta no Tibete. O número oficial não chega a 20, mas os tibetanos no exílio falam em mais de cem mortos.   Participaram da cerimônia líderes das principais comunidades religiosas da Índia, país que acolhe o governo tibetano no exílio desde 1959.

Tudo o que sabemos sobre:
dalai-lamaPequim 2008ChinaTibete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.