Dalai-lama renunciará se violência no Tibete se intensificar

O governo chinês acusou o dalai-lama de orquestrar protestos no mês passado na capital tibetana de Lhasa

REUTERS

13 de abril de 2008 | 15h50

O dalai-lama disse, neste domingo, que renunciará como líder de governo do Tibete no exílio, caso a violência em sua terra natal saia de controle.   VEJA TAMBÉM    Dalai-lama atrai 50 mil a estádio de Seattle Líder chinês diz que unidade do país está em risco   "Se a violência se tornar fora de controle, então minha única opção é renunciar", disse o líder espiritual em uma entrevista coletiva. "Se a maioria das pessoas cometer violência, então eu renunciarei." O governo chinês acusou o dalai-lama de orquestrar protestos no mês passado na capital tibetana de Lhasa e por revoltas ocorridas em outras áreas tibetanas. Os protestos seriam uma tentativa dos tibetanos de pressionar a China por sua independência, com os Jogos Olímpicos se aproximando. (Por Laura Myers)

Tudo o que sabemos sobre:
TIBETDALAIRENUNCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.