DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Damares Alves abandona reunião da ONU em protesto contra a Venezuela

Na segunda-feira, a ministra já havia criticado o 'regime ilegítimo e autoritário de Nicolás Maduro' durante seu discurso oficial em Genebra.

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2020 | 09h21

SÃO PAULO - A Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, abandonou uma reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU nessa terça-feira, 25, em um ato de protesto contra o regime da Venezuela. A 'retirada' aconteceu durante o discurso da delegação venezuelana em Genebra, na Suíça. Um vídeo gravado pela assessoria de comunicação do Ministério mostra o momento do protesto (veja abaixo).

No dia do protesto, a delegação brasileira entrou na reunião momentos antes do discurso do venezuelano Jorge Arreaza. Logo após o início do discurso do representante de Nicolás Maduro, a ministra e a equipe que a acompanhava se retiraram do recinto.

Na segunda-feira, 24, a ministra já havia criticado "as persistentes e sérias violações de direitos humanos cometidas na Venezuela" durante o seu discurso oficial.

"Estamos particularmente preocupados com as centenas de crianças que chegam desacompanhadas ao Brasil. Elas precisam de uma perspectiva de vida livre e saudável, algo que lhes foi violentamente retirado pelo regime ilegítimo e autoritário de Nicolás Maduro", disse em seu discurso.

Damares também destacou medidas tomadas pelo governo brasileiro com relação ao país vizinho. Segundo a ministra, mais de 1 milhão de atendimentos emergenciais a venezuelanos na fronteira e o status de refugiado foi facilitado a quem cruza a fronteira.

Outra iniciativa destacada foi a Missão de Verificação de Fatos, criada em setembro de 2019, que segundo Damares investiga "denúncias de execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias, tortura e outros tratamentos cruéis e desumanos na Venezuela."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.