Damas de Branco protestam em Cuba no dia dos Direitos Humanos

Em manifestação pró-castrismo, estudantes lembram cubanos mortos em atentados

Reuters,

10 de dezembro de 2010 | 18h00

Damas de branco protestam em Havana. Foto: Javier Galeano/AP

HAVANA - Ativistas do grupo cubano Damas de Branco, que reúne mulheres de dissidentes da ilha, fizeram um protesto nesta sexta-feira, 10, em frente a uma prisão para marcar o dia dos direitos humanos. Cerca de 15 mulheres vestidas de branco e com flores laranjas nas mãos foram à cadeia de Combinado del Este, nas cercanias de havana sob os gritos de "Liberdade!" e "Viva os direitos humanos".

"Viemos denunciar as violações de direitos humanos. Queremos a libertação dos presos políticos", disse Laura Pollán, líder do grupo. Elas querem a libertação dos últimos 11 dissidentes de um grupo de 52 que o presidente Raúl Castro prometeu libertar este ano.

Partidários do governo responderam à manifestação, chamando as Damas de Branco de traidoras da pátria. Uma passeata pró-governo foi organizada em uma praça de Havana. Agentes de Segurança do governo cercaram o local e pediam que os pedestres se identificassem durante o ato.  No ato, estudantes universitários cantaram, dançaram salsa e lembraram cubanos mortos em atentados terroristas.

O dia dos direitos humanos relembra a adoção pelas Nações Unidas da declaração universal dos direitos humanos, em 10 de dezembro de 1948.

 

Estudantes pró-castrismo fazem ato em praça. Foto: Franklyn Reyes/AP

Tudo o que sabemos sobre:
CubaDamas de BrancoRaúl Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.