Arquivo pessoalReprodução
Arquivo pessoalReprodução

Dançarina estava em 'caixa de mágico' durante naufrágio de navio, diz mãe

Britânica participava de show de ilusionismo quando o Costa Concordia colidiu com rocha

BBC

16 de janeiro de 2012 | 16h27

LONDRES - Uma dançarina britânica que trabalhava no navio Costa Concordia enfrentou o naufrágio da embarcação, na noite de sexta-feira, dentro de uma caixa de mágico, segundo sua mãe.

 

Veja também:

som ESTADÃO ESPN: Passageiros brasileiros do Costa Concordia já foram resgatados, confirma embaixador

linkEmpresa culpa comandante pelo naufrágio

video VÍDEO: Passageiro registra o pânico durante resgate

link'Nos deram 50 euros e não deram informações', diz repórter do 'Estado' que estava a bordo

 

Rosalyn Rincon, de 30 anos, de Layton (noroeste da Grã-Bretanha), estava atuando como assistente em uma apresentação de ilusionismo quando o Costa Concordia se chocou com uma rocha e naufragou, em um acidente que deixou ao menos seis mortos.

 

A mãe de Rosalyn, Claire, disse ter recebido um telefonema da filha avisando que o navio estava afundando. "Rosalyn estava um pouco histérica. Mas, considerando o fato de que ela é dançarina e faz drama, pensei que era meio surreal", declarou Claire.

"Você não ouve falar sobre grandes naufrágios como esse atualmente, então disse a ela: 'Você vai ficar bem. Apenas encontre seus amigos'." Rosalyn então disse que precisava desligar o telefone, porque o navio estava afundando. "Fiquei então num limbo", recorda Claire. "Fiquei pálida e sem ter notícias até a manhã (seguinte)."

O namorado de Rosalyn, um engenheiro que também estava no navio, voltou a ligar na manhã de sábado, para avisar Claire que sua filha estava em segurança e que havia sido resgatada do navio.

Rosalyn também telefonou algumas horas depois, dizendo ainda estar em choque e chateada pela experiência. Além disso, sofreu um corte na perna. "Ela estava no meio de um show de mágica (quando o navio se chocou) e, quando as luzes se apagaram (na embarcação), ela teve que lutar para sair da caixa", afirma a mãe. "Imagino que em determinado momento ela também tenha caído no mar, porque disse que havia se molhado."

Rosalyn estava, até a noite de domingo, hospedada em um hotel italiano localizado próximo ao local do naufrágio.

Perto demais da costa

Na manhã desta segunda, as equipes de resgate anunciaram ter encontrado mais um corpo de um homem, o que elevou o número de vítimas do naufrágio de cinco para seis pessoas. Outras 16 estão desaparecidas e sendo buscadas pelas autoridades.

Também nesta segunda-feira, o Itamaraty atualizou o número de brasileiros presentes no navio de 53 para 57 pessoas, sendo seis tripulantes do Costa Concordia.

A empresa que opera o navio naufragado na Itália afirmou, no domingo, que investigações iniciais indicam que erros cometidos pelo capitão do cruzeiro causaram o acidente.

De acordo com a Costa Cruzeiros, Francesco Schettino teria conduzido a embarcação perto demais da costa, além de não seguir os procedimentos de segurança determinados pela empresa. "Aparentemente, o comandante cometeu erros de julgamento que tiveram graves consequências", dizia o comunicado da empresa.

Já o capitão disse que as rochas contra as quais ele se chocou não estavam na rota de navegação - o que a empresa nega.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.