PETER NICHOLLS / REUTERS
PETER NICHOLLS / REUTERS

David Cameron renuncia a cargo no Parlamento

O político, de 49 anos, que disse não saber a que se dedicará a partir de agora e terá de construir uma vida fora de Westminster  

O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2016 | 19h06

LONDRES - O ex-primeiro-ministro britânico David Cameron, que deixou o comando do governo em junho ao ser derrotado no referendo sobre a permanência na União Europeia, anunciou nesta segunda-feira, 12, que também deixará o assento de deputado pela circunscrição de Witney, no sul da Inglaterra, seu último cargo político.

“Na minha opinião, as circunstâncias de minha renúncia como primeiro-ministro e a realidade da política moderna tornam muito difícil continuar sem me converter em uma distração”, disse Cameron em um comunicado.

O ex-premiê defendia a permanência do Reino Unido no bloco europeu. “Apoio plenamente Theresa May (sua sucessora como premiê) e tenho toda a confiança de que o Reino Unido brilhará sob a sua liderança”, afirmou o político de 49 anos, que disse não saber a que se dedicará a partir de agora. 

“Terei de começar a construir uma vida fora de Westminster”, explicou em uma entrevista à emissora ITV. Quando perguntado sobre como seria lembrado, Cameron disse: “Por ter honrado meu compromisso de realizar o referendo, uma promessa que muitos acreditavam que não manteria”.

Sob seu mandato, o Reino Unido legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo e se recuperou economicamente da crise, mas muitos não o perdoam por ter convocado o referendo, a segunda grande consulta de seu mandato, após a da independência da Escócia. Cameron venceu duas eleições legislativas, em 2010 e 2015, mas renunciou no ano do início de seu segundo mandato. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
David CameronGrã-bretanhaReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.