David Kelly, o especialista em Iraque, é sepultado

Os familiares do ex-inspetor de armas David Kelly reuniram-se nesta quarta-feira para assistir a uma cerimônia fúnebre privada enquanto prossegue a controvérsia sobre seu papel como fonte da emissora britânica BBC em uma reportagem segundo a qual o governo teria exagerado a ameaça representada pelo Iraque apenas para justificar a guerra. Os funerais de Kelly, que teria se suicidado há mais de duas semanas, ocorrem um dia depois de um porta-voz do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, ter pedido desculpas por ter comparado o cientista com um personagem megalômano de uma trama fictícia.Kelly foi encontrado morto em 18 de julho perto de sua residência em Oxfordshire. As autoridades locais apontam para a hipótese de suicídio. Dias depois, ele foi identificado pela BBC como principal fonte da reportagem que acusava o governo britânico de ter manipulado informações em um relatório para dizer que o Iraque seria capaz de lançar armas químicas e biológicas 45 minutos após a emissão da ordem. A afirmação foi incluída em um relatório do serviço secreto britânico revelado pelo governo em setembro e fez parte da argumentação de Blair para justificar o envolvimento britânico na guerra liderada pelos Estados Unidos contra o Iraque.A pressão contra o governo Blair aumentou recentemente porque, apesar das subseqüentes acusações americanas e britânicas, já se passaram mais de três meses desde que a guerra terminou e não foi encontrado nenhum indício sobre a existência dessas armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.