Davos poderá discutir solução para crise na Coréia do Norte

Uma solução pacífica para a crise diplomática que foi criada pelo anúncio de que a Coréia do Norte estaria relançando seu programa nuclear pode começar a ser negociada no final desde mês em Davos, uma estação de esqui na Suíça.Os organizadores do Fórum Econômico Mundial, que é realizado na cidade no meio dos Alpes todos os anos, tomaram a iniciativa de convidar o presidente da Assembléia Popular Suprema da Coréia do Norte, Kim Young-nam, para participar do evento. A idéia é de que, com a vinda do líder político, o país possa iniciar um diálogo com o governo da Coréia do Sul e dos Estados Unidos, que já confirmaram presença em Davos.Segundo os organizadores do Fórum Econômico, que reúne a elite do capitalismo mundial, as autoridades de Pyongyang ainda não confirmaram se estarão na Suíça para o evento, que ocorre entre os dias 23 e 28 de janeiro. Nos próximos dias, um funcionário da ONU, que não será identificado publicamente, irá até a capital do país para tentar convencer os norte-coreanos a não desperdiçarem a chance de iniciar as negociações.Caso seja confirmada a presença do líder norte-coreano, a segurança para o evento estará ainda mais atenta. A polícia suíça prevê simplesmente o fechamento da cidade. Terão acesso a Davos apenas os participantes do encontro e a população local, que será devidamente registrada. A Suíça ainda anunciou que irá abater aviões que sobrevoem a pequena cidades dos Alpes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.