De la Rúa: Pedro Pou fica no cargo

O presidente Fernando De la Rúa afirmou nesta quinta-feira que o presidente do Banco Central Argentino, Pedro Pou, permanecerá em seu cargo. A declaração causou polêmica entre integrantes do partido do próprio De la Rúa, como também na oposição, já que Pou é suspeito de ter permitido lavagem de dinheiro entre o extinto Banco República, da Argentina, o Federal Bank, das Bahamas, e o Citibank, de Nova Iorque.Calcula-se que entre 1992 e 1999 foram lavados 9 bilhões de dólares. A investigação foi feita pelo Senado dos Estados Unidos, graças à denúncia e colaboração de um pequeno grupo de deputados do Parlamento argentino.Pouco antes da declaração de De la Rúa, o Senado preparava-se para formar uma comissão que encaminharia à presidência o pedido de remoção de Pou de seu cargo.Pou contou com o apoio da poderosa Associação de Bancos da Argentina (ABA), cujo vice-presidente, Manuel Sacerdote, afirmou que "se Pou for removido, deve ficar claro que seja por mau cumprimento de seus deveres. Se for por uma questão política, vai causar péssima impressão nos mercados". Sacerdote sustentou que "a Argentina é um país no qual não se lava dinheiro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.