De olho em eleição de 2012, Palin e Obama caçam votos

A aproximação das eleições legislativas do dia 2, nos Estados Unidos, mobilizou os principais interessados na corrida presidencial de 2012 para o corpo a corpo com o eleitorado e busca por doações. Ao trabalho de campo do presidente Barack Obama somou-se o carismático ex-presidente democrata Bill Clinton. O esforço da republicana Sarah Palin, diva do ultraconservador Tea Party, e de setores menos radicais do partido tem sido recompensado por milhões de dólares doados neste final de campanha.

AE, Agência Estado

24 de outubro de 2010 | 08h39

Nenhuma das figuras de apelo nacional dessas eleições de meio de mandato disputa um cargo público. Mas, pelo menos duas delas - Obama e Palin - claramente ambicionam concorrer pela presidência em 2012. Para ambos, o novo Congresso refletirá as vantagens e dificuldades que terão nos próximos dois anos. No caso de Obama, significará a própria sobrevivência de sua proposta de "mudança".

"Mesmo que os republicanos obtenham a maioria apenas na Câmara dos Deputados e não consigam o mesmo no Senado, o governo Obama estará acabado", avaliou Julio Carrion, professor de Ciências Políticas da Universidade de Delaware. "Nos EUA, o Congresso concentra muito poder. A possibilidade de a Casa Branca conseguir aprovar seus projetos em um Legislativo dominado pelos republicanos será quase nula."

Com o risco de perda da maioria democrata nas duas Casas, como mostram as recentes pesquisas de intenção de voto, não foi apenas Obama quem saiu em caravana para apoiar e ajudar seus companheiros de partido. Clinton também abandonou o conforto dos bastidores.

Revolução republicana

Segundo um de seus amigos próximos confidenciou ao Washington Post, sua frustração com a falta de competência dos democratas em apresentar uma mensagem clara e coerente aos eleitores o levou às ruas. Como presidente, Clinton foi derrotado nas eleições de meio de mandato de 1994 - a chamada "Revolução republicana".

Nos últimos dias, em eventos em quadras de basquete, hangares de aeroportos e colégios, Clinton ajudou a levantar fundos para a reeleição da senadora Patty Murray, do Estado de Washington, do senador Harry Reid, de Nevada, e do governador Martin O?Malley, de Maryland, bem como na disputa de Kendrich Meek pela vaga da Flórida no Senado. Na próxima semana, Clinton ajudará em Ohio, Pennsylvania e Kentucky.

O próprio Obama movimenta-se intensamente pelo país desde o início de setembro. Visitou 22 cidades até ontem, quando desembarcou em Minneapolis, para apoiar o candidato a governador, Mark Dayton. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.