Adrian Bradshaw/Efe
Adrian Bradshaw/Efe

De saída, presidente chinês alerta para corrupção no país

Hu Jintao afirma em seu último discurso que desvios podem levar à 'queda do Estado'

Cláudia Trevisan, correspondente em Pequim,

08 de novembro de 2012 | 11h10

PEQUIM - No último discurso que realizou na condição de líder do Partido Comunista da China, Hu Jintao apresentou nesta quinta-feira, 8, o combate à corrupção como condição essencial para a sobrevivência da organização e a estabilidade política do país. Segundo ele, a falha no controle de irregularidades pode causar "o colapso do partido e a queda do Estado".

 

A organização foi abalada este ano pelo escândalo em torno de Bo Xilai, cuja trajetória revelou a fragilidade dos limites ao abuso de poder e ao enriquecimento ilícito dos ocupantes de cargos de comando no país.

 

Antes dele, o ministro das Ferrovias, Liu Zhijun, havia sido afastado do cargo sob a suspeita de receber propinas de 800 milhões de yuans (R$ 260 milhões). Ambos foram expulsos do partido e aguardam julgamento.

 

A versão escrita do discurso de Hu tinha um apelo que foi omitido na leitura do texto que ele realizou no plenário do Grande Palácio do Povo, em Pequim: "[Os líderes] devem exercer estrita autodisciplina e fortalecer a educação e supervisão sobre seus familiares e assessores".

 

A poucos passos de Hu estava o primeiro-ministro Wen Jiabao, cuja família detém uma fortuna de US$ 2,7 bilhões, de acordo com reportagem publicada pelo The New York Times há duas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.