De Vido controla, sem fiscalização, verba de US$ 5 bi

Julio De Vido trabalha com Néstor Kirchner desde 1982, quando o atual presidente era um militante peronista na gélida Río Gallegos, na Patagônia. Em 1987, Kirchner foi eleito prefeito e De Vido conseguiu seu primeiro cargo público. Dali para a frente, a sociedade Kirchner-De Vido consolidou-se. Em 2003, Kirchner tornava-se presidente. E Julio, ministro do Planejamento e Obras. Nesse posto comanda um amplo leque de setores, desde o energético, passando por concessões de estradas, até obras públicas. Nos últimos quatro anos, seu ministério tomou áreas de outras pastas. Absorveu cinco secretarias, dez subsecretarias, além de dezenas de entidades. Atualmente, De Vido controla um orçamento de US$ 5 bilhões - a maior parte, destinada a gastos sem nenhuma fiscalização. Ele e seus assessores são investigados por vários casos suspeitos. Taciturno e carrancudo, só sorri quando pode se dedicar ao hobby que o apaixona: os aquários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.