Dean já admite ser vice de Kerry nas eleições americanas

Em um novo reforço para a indicação de John Kerry como candidato democrata à presidência dos EUA, o ex-governador de Vermont Howard Dean disse em entrevista a uma rádio que está disposto a aceitar a nomeação para a vice-presidência se isso puder ajudar a afastar o presidente George W. Bush, que busca a reeleição. Apenas um mês atrás, Dean liderava as pesquisas de opinião para as primárias dos principais Estados e especialistas já estavam começando a especular sobre quem ele poderia escolher como companheiro de chapa. Mas no programa de rádio em Milwakee, sexta-feira, Dean foi indagado se aceitaria uma nomeação vice-presidencial. Ele respondeu: "Eu faço tudo o que puder para afastar o presidente Bush. Farei o que foi melhor para o partido. Obviamente estou concorrendo para presidente." Durante a entrevista Dean reiterou um sentimento que ele manifestou primeiro em um e-mail a seus partidários na quarta-feira à noite: que sua candidatura não seria mais viável se ele não vencesse em Wisconsin, no dia 17. "Temos de vencer em Wisconsin. Isso é tudo. É um Estado onde ou vai ou racha para nós", disse Dean durante o programa. Dean, inicialmente considerado o favorito, foi superado pelo senador John Kerry, de Massachusetts, logo nas primeiras primárias. Kerry saiu vitorioso em sete das nove primeiras votações. Kerry esperava hoje (07) fortalecer sua liderança na disputa pela candidatura democrata à Casa Branca nas assembléias partidárias (caucuses) nos Estados de Michigan e Washington. Várias pesquisas de opinião o punham com vários pontos de vantagem sobre seus rivais. Um total de 204 delegados para a Convenção do Partido Democrático de julho - encarregada de designar o candidato à Casa Branca - está em jogo nos dois Estados. Kerry é o favorito em Michigan e Washington e também no Estado do Maine, cujo caucus será realizado amanhã. Michigan, um Estado muito democrata com grande concentração de negros e membros de sindicatos, se havia mostrado como um campo-chave de batalha para a nomeação, mas a grande subida de Kerry nas pesquisas de opinião forçou seus rivais a recalcularem as estratégias. O general da reserva Wesley Clark e o senador da Carolina do Norte John Edwards não visitaram Michigan nem Washington esta semana, para concentrar-se nas votações de terça-feira na Virgínia e Tenesse, onde poderá ser determinado se um deles ainda poderá tentar fazer frente a Kerry.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.