Debate acentua posturas antagônicas sobre papel do Estado nos EUA

Obama e Romney mostraram posições opostas sobre a intervenção estatal em questões econômicas

Fernanda Simas,

04 de outubro de 2012 | 00h47

Obama e Romney se enfrentam em primeiro debate, ocorrido em Denver

SÃO PAULO - O debate desta quarta-feira, 3, entre Barack Obama e Mitt Romney deixou claro a visão antagônica sobre a posição que o Estado e a iniciativa privada devem ter na economia norte-americana. Essa é a opinião do professor de Relações Internacionais da ESPM Marcelo Zorovich. "Romney considera que o setor privado é o principal motor da criação de empregos e sente que o Estado não está suficientemente equipado para melhorar a situação dos americanos."

Veja também:

especial RADAR GLOBAL: O embate completo e análises da equipe

Para Zorovich, Obama, por outro lado, "continua defendendo o papel de uma intervenção estatal muito forte, em que o Estado é líder nas decisões e, nesse sentido, o discurso é todo voltado para a classe média".

As opiniões contrastantes dos candidatos ficou evidente durante a discussão sobre planos de saúde. O Obamacare foi questionado por Romney diversas vezes. O plano do atual presidente proíbe seguradoras de recusar pessoas com problemas de saúde preexistentes e permite que jovens sejam cobertos pelo plano de seus pais até os 26 anos.

O candidato republicano enalteceu os planos de saúde particulares: "Acredito na competição", disse. Obama rebateu dizendo que os planos estatais costumam ser melhores: "É por isso que geralmente os aposentados estão felizes com ele".

Economia

O primeiro de três debates esteve focado em economia, ponto delicado na atual situação dos EUA. Para Zorovich, o presidente Obama estava menos à vontade no debate por essa razão. Romney, na opinião do professor, teve o melhor desempenho nesta quarta-feira, o que não deve se repetir nos próximos encontros. "Ele (Romney) estava muito mais combativo com relação ao Obama, liderou mais o debate. Não acredito que terá o mesmo desempenho em outros assuntos, como política externa".

Questões de política externa devem ser abordadas no segundo debate, marcado para o dia 16. "Falta um pouco mais de engajamento para Romney nesse assunto. Ele já fez declarações descabidas, como críticas à China de uma forma bastante agressiva, o que tem relação com os empregos que foram transferidos para lá, mas não podemos esquecer que existe uma codependência entre Washington e Pequim", afirma Zorovich.

Os próximos debates entre Obama e Romney ocorrem nos dias 16 e 22. Pesquisas recentes mostram uma diferença de quatro a onze pontos percentuais entre o democrata - na liderança - e o republicano. Cálculos baseados nas pesquisas estaduais mostram o presidente e candidato à reeleição com 269 delegados para o Colégio Eleitoral. Para ser eleito, o candidato precisa de 270 votos nessa instância final do processo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.