John Gress/Reuters
John Gress/Reuters

Debate entre vices pode dar novo impulso para campanha de Obama

Encontro foi equilibrado, mas democrata Joe Biden atacou mais o candidato republicano

Fernanda Simas,

12 de outubro de 2012 | 00h43

O debate entre o atual vice-presidente Joe Biden e o candidato republicano Paul Ryan apresentou mais embates e causou mais discussões. Para o professor de Relações Internacionais da ESPM Marcelo Zorovich, esse pode ser um novo impulso para a campanha de Barack Obama, que, segundo pesquisas, perdeu alguns pontos após a má performance no primeiro debate presidencial.

Veja também:

blog MINUTO A MINUTO: Veja como foi o debate

tabela ESPECIAL: Eleições nos EUA

especial Veja íntegra do debate, em inglês

"Esse debate está muito ligado ao momento da campanha. Os democratas estão contentes com a performance de Biden. Pode ser uma reenergizada para o próximo debate de Obama, que se não aproveitar, pode ser muito prejudicado", afirma Zorovich. Desde o início do encontro desta quinta-feira, 11, Biden veio com uma proposta mais agressiva do que a demonstrada pelo atual presidente.

Segundo o professor, é possível dizer que houve um empate no debate desta noite. "Eles empataram naquilo que democratas e republicanos esperavam de seus vices. Foi um debate mais equilibrado, Ryan respeitou um pouco mais as regras e a todo momento defendia Romney enquanto Biden foi mais sarcástico e procurou sempre atacar o adversário."

Temas

Além de reformas no sistema de saúde e de seguro social - temas abordados no debate entre Obama e Romney - Biden e Ryan discutiram temas da política externa dos EUA, como a posição no conflito sírio e a retirada de tropas do Afeganistão. "Esse debate foi muito mais substancial em termos de conteúdo e engajamento dos candidatos e pode abrir portas para desdobramentos nos próximos debates", diz Zorovich.

Pouco antes de encerrar o debate, a mediadora Martha Raddatz, correspondente internacional da rede ABC, questionou os dois candidatos sobre a posição de cada um a respeito do aborto. Para o professor Zorovich, essa é uma pergunta "pegadinha" porque é uma maneira de saber os valores dos candidatos. "Americanos têm diferentes visões de religião e a religião tem um papel extremamente importante. Dependendo da resposta, o candidato pode ganhar mais ou menos votos. Os dois foram cuidadosos, até respiraram fundo antes de responder."

Os dois candidatos são católicos, mas mostraram posições diferentes. Ryan afirmou ser "contra o aborto não só porque sou católico" enquanto Biden afirmou aceitar a posição doutrinária da Igreja Católica mas "não podemos dizer às mulheres como lidar com o corpo delas."

Debates

O presidente Obama e o candidato republicano Romney farão mais dois debates que devem abordar questões de política interna e externa. As eleições ocorrem no dia 6 de novembro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.