Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Brian Snyder/ Reuters
Brian Snyder/ Reuters

Debate republicano é marcado por frases de impacto e insultos entre pré-candidatos

Analistas americanos afirmam que Marco Rubio se saiu bem nos confrontos e Trump 'roubou a cena' do evento, como era esperado 

O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2015 | 09h28

CLEVELAND - O primeiro debate televisionado entre os pré-candidatos republicanos à Casa Branca foi carente de propostas concretas, mas com muitas referências à rival democrata favorita nas pesquisas, Hillary Clinton, e monopolizado pela atenção voltada de antemão para o magnata Donald Trump.

Os 10 pré-candidatos melhores colocados nas principais pesqisas de opinião dos EUA debateram em horário nobre no pavilhão Quicken Loans Arena de Cleveland, Ohio, em um encontro transmitido pela emissora Fox News, que organizou outro debate quatro horas antes para os outros sete pré-candidatos que ficaram de fora do evento principal.

Fenômeno midiático há semanas por sua personalidade, comentários e popularidade nas pesquisas, Trump estava destinado a ser o centro de atenção e assim foi, graças em parte aos próprios moderadores do debate, que não cansaram de provocar o magnata. Trump foi fiel a si mesmo e já no início do debate não descartou apresentar-se como candidato independente às eleições de 2016 se não conseguir a indicação republicana.

Trump foi o pré-candidato que falou mais tempo (pouco mais de 10 minutos, dois a mais que Jeb Bush) e o mais procurado pelos internautas durante o debate em plataformas como Google e Facebook.

No entanto, analistas e meios de comunicação destacavam, pouco após o fim do debate, o desempenho do senador Marco Rubio e do governador de Ohio, John Kasich, um dos mais aplaudidos no evento.

Um dos melhores avaliados nas enquetes, o governador de Wisconsin, Scott Walker, parecia ausente em alguns momentos, enquanto o combativo senador Rand Paul (Kentucky) foi quem menos falou, nem cinco minutos.

O elevado número de participantes e o formato, que limitava a um minuto a duração das intervenções, fez com que quase não houvesse interação entre os participantes. Também não houve surpresas nas posturas dos candidatos sobre assuntos como imigração, política externa e aborto.

Rubio e Trump insistiram na necessidade de construir um muro na fronteira dos EUA com o México, enquanto o ex-governador da Flórida, Jeb Bush, defendeu o fim das "cidades santuário", nas quais as autoridades locais protegem imigrantes ilegais da deportação.

"Eu também acredito que precisamos de um muro. O problema é se (o narcotraficante mexicano Joaquín) El Chapo (Guzmán) constrói um túnel sob esse muro. Temos que ser capazes de lidar com isso", disse Rubio em alusão à recente fuga do chefe do Cartel de Sinaloa.

Temas polêmicos. Os candidatos rivalizaram na hora de prometer quem será mais duro na luta contra o Estado Islâmico (EI), mas concordaram em suas críticas à campanha militar contra os jihadistas iniciada pelo governo do presidente Barack Obama.

"Precisamos de um comandante-em-chefe que deixe claro que quem se unir ao EI está assinando sua sentença de morte", afirmou o senador Ted Cruz (Texas), de origem cubana.

Quando se abordou o tema do aborto, os pré-candidatos se mostraram contra essa prática, mas baixaram o tom com relação ao casamento gay, legalizado recentemente em todo o país pela Corte Suprema.

Os participantes também se opuseram em bloco ao acordo nuclear alcançado em julho em Viena entre o Irã e as potências do Grupo P5+1 (EUA, Rússia, China, Grã-Bretanga e França, mais a Alemanha).

Em geral, embora não se tenha mencionado a aproximação com Cuba, todos os pré-candidatos atacaram a política externa de Obama - a quem vários deles culparam por ter debilitado o país e as forças armadas - e alertaram para as ameaças representadas por China e Rússia, países imersos em uma "ciberguerra" contra Washington, nas palavras de Ted Cruz.

"Os governos russo e chinês sabem mais do servidor de e-mail de Hillary Clinton que o Congresso dos EUA", ironizou o governador Walker, se referindo à polêmica de Hillary ter usado um e-mail pessoal para assuntos oficiais quando era secretária de Estado.

A ex-chefe da diplomacia americana foi mencionada por quase todos e, obviamente, por Trump. "Eu disse a Hillary Clinton: 'Venha ao meu casamento' e ela foi a meu casamento. Não tinha escolha. Eu tinha doado para sua fundação", contou o magnata, para provar que "o sistema está quebrado".

O senador Rand Paul, de Kentucky, abordou Trump, o confrontando depois que Trump deu início ao debate se recusando a garantir seu apoio ao candidato republicano na eleição de novembro de 2016. "Eu não vou fazer a promessa neste momento", disse Trump, que há semanas disse que não descartaria uma candidatura independente, o que quase certamente dividiria o voto republicano e aumentaria as chances de vitória do candidato democrata.

A resposta de Trump atraiu vaias da plateia e uma repreensão de Paul, que disse Trump que estava mantendo suas opções em aberto para apoiar a principal pré-candidata democrata à Presidência, Hillary Clinton, numa referência à amizade passada do magnata com Hillary e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton. /EFE, NYT e REUTERS


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.