Decisão de demolir Abu Ghraib não comove iraquianos

A decisão do presidente dos EUA, George W. Bush, de demolir a prisão de Abu Ghraib, onde iraquianos eram torturados durante o regime de Saddam Hussein - e onde soldados dos EUA submeteram prisioneiros a abusos e situações humilhantes - atraiu poucos aplausos em Bagdá, e uma alta autoridade iraquiana disse que o destino de Abu Ghraib deveria ser definido pelo povo iraquiano. Ahmed Hassan al-Uqaili, líder da Organização de Direitos Humanos no Iraque, descartou a promessa de Bush, feita em discurso na noite de ontem, como uma jogada do Partido Republicano para ?ganhar a eleição (presidencial) nos Estados Unidos?. Al-Uqaili disse que o importante é acabar com os abusos, não ?mudar o nome ou o local da prisão?. Já Hamed al-Bayati, vice-ministro de Relações Exteriores do Iraque e alto representante de uma importante organização xiita, disse que a decisão sobre o que fazer com Abu Ghraib ?deve ser deixada para o novo governo? que deve ser empossado em 30 de junho. A Anistia Internacional também atacou a decisão americana, argumentando que uma Abu Ghraib intacta poderá ajudar na investigação de crimes e abusos cometidos ali.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.