Decisão judicial provoca fúria no Paraguai

A decisão da Justiça paraguaia de condenar a cinco anos de prisão os donos do mercado onde, em agosto de 2004, morreram 364 pessoas num incêndio, provocou a fúria de familiares das vítimas e sobreviventes. A expectativa era de que a condenação seria de 25 anos. Antes mesmo de ser divulgada a sentença, num clube militar, os presentes jogaram cadeiras e ventiladores contra os integrantes do tribunal de Justiça e policiais. A revolta chegou às ruas de Assunção e na noite de terça-feira, mais de sete horas após o início do tumulto, a tropa de choque continuava em ação atirando pedras e balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes. Carros foram incendiados e um supermercado - dos mesmos donos do outro mercado - saqueado. ?Que Nicanor renuncie?, gritavam alguns manifestantes, referindo-se ao presidente do país, Nicanor Duarte Frutos.Novo julgamentoNa tentativa de estancar o caos e diante das críticas contra a Justiça e o governo, Duarte Frutos disse à noite às emissoras de rádio e de televisão do país que deverá ser realizado novo julgamento para os empresários Juan Pío Paiva e seu filho Víctor Daniel Paiva, proprietários do shopping ?Ycua Bolaños?, no subúrbio de Assunção. O presidente afirmou ainda que os juízes seriam ?rejeitados? para não continuarem com o caso.Pouco antes, Duarte Frutos determinou que soldados das Forças Armadas trabalhassem com a polícia, que já estava nas ruas. À noite, o jornal ABC Color informava que ministros da Suprema Corte de Justiça estavam de ?plantão permanente?, aguardando a possibilidade de serem convocados para analisar o caso que comoveu o país. Os familiares das vítimas e sobreviventes daquela tragédia ainda poderão apelar à segunda instância e à Suprema Corte de Justiça.AmeaçasO juiz Manuel Aguirre, que seria o último dos três magistrados a emitir seu voto, fez um apelo: ?Que me ataquem pela minha decisão, mas, por favor, deixem minha família em paz?. Diante das câmeras de televisão, os sobreviventes do incêndio afirmavam, dedo em riste: ?Como sobrevivente, peço que sejam 25 anos de cadeia para os criminosos e que os juízes fiquem em casa ou vamos persegui-los e agredi-los?.?Quando a Justiça não funciona, as ruas funcionam. E se não fosse o dia de hoje não haveria possibilidade de novo julgamento?, disse um analista à radio Ñanduti, de Assunção.Diferentes organizações anunciaram que realizarão protestos na capital paraguaia nesta quarta-feira para "pedir justiça" pela maior tragédia registrada em tempos de paz no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.