Decisão sobre apedrejamento na Nigéria sairá em setembro

A apelação de Amina Lawal perante uma corte islâmica da Nigéria será decidida no dia 25 de setembro. Amina foi condenada, em primeira instância, por adultério - ela teve um filho depois de se divorciar - e, pela lei islâmica, deve ser enterrada até o pescoço e apedrejada até a morte. A promotoria diz que, se Amina vencer esta etapa da apelação, as acusações serão retiradas.Amina estava muito assustada ao comparecer, nesta quarta-feira, perante a corte de apelação, carregando seu bebê, uma menina. ?Nunca senti tanto medo?, disse ela, chorando. ?Estou cansada?. Amina Lawal é uma das três pessoas condenadas à lapidação, ou apedrejamento, pela sharia, ou lei islâmica, na Nigéria. Duas outras pessoas já obtiveram perdão; nenhum apedrejamento ainda foi levado a cabo.Uma corte islâmica condenou Amina em março de 2002, após o nascimento da filha, dois anos após o divórcio do marido. O suposto pai da criança alegou inocência e foi absolvido. O promotor Nurulhuda Mohammad Darma disse que o divórcio e a gravidez eram ?evidência suficiente? de adultério, mas acrescentou que ?não faria objeções? se a corte decidisse libertá-la. Ele disse a jornalistas que a acusação abandonará o caso se Amina vencer esta apelação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.