AP Photo/Esteban Felix
AP Photo/Esteban Felix

Declaração do Prosul exalta democracia, direitos humanos e multilateralismo

Texto não cita explicitamente a Venezuela mas manda um recado indireto ao regime de Nicolás Maduro; Bolívia, Uruguai e Suriname não aderiram ao bloco

Ricardo Galhardo e Daniel Weterman, enviados especiais a Santiago, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2019 | 15h21

SANTIAGO - A Declaração de Santiago, base para a criação do Prosul (Foro para o Desenvolvimento e Progresso da América do Sul)  assinada pelos presidentes do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e um representante do governo da Guiana, hoje, na capital chilena, não cita explicitamente a Venezuela mas manda um recado indireto ao regime de Nicolás Maduro: para participar do novo bloco regional todos os países devem estar em "plena vigência da democracia", com respeito à separação de poderes e aos direitos humanos. A  declaração reforça também o respeito ao multilateralismo e aos mecanismos de direito internacional

"Os requisitos essenciais para participar deste espaço serão a plena vigência da democracia, das respectivas ordens constitucionais, o respeito ao princípio da separação dos Poderes do Estado e a promoção, proteção, respeito e garantia dos direitos e liberdades humanos, direitos fundamentais, bem como a soberania e integridade territorial dos Estados, no que diz respeito ao direito internacional", diz o documento.

O trecho foi interpretado como um sinal de que o Prosul pode ser usado como mais uma ferramenta para isolar e pressionar Maduro. Bolivia, Uruguai e Suriname enviaram representantes mas não aderiram ao bloco.

Segundo o documento firmado hoje, o Prosul será um "um marco institucional flexível que permita enfrentar de forma eficiente e eficaz os desafios colocados pelo mundo de hoje" com "estrutura flexível, leve, não dispendiosa, com regras operacionais claras e um ágil mecanismo de decisão".

Reforço ao multilateralismo

Em outro trecho a declaração reforça o respeito ao multilateralismo e aos mecanismos de direito internacional, o que contraria frontalmente a linha adotada pelo chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, crítico contumaz do "globalismo".

"Reafirmamos que a integração é uma ponte para o fortalecimento do multilateralismo e a plena vigência do direito internacional, ferramentas fundamentais para nos inserirmos eficientemente na quarta revolução industrial e na sociedade do conhecimento e da informação", diz o texto assinado pelos presidentes. 

Em um momento que o governo americano diz que "todas as opções estão sobre a mesa, até mesmo a militar" para a crise na Venezuela, a declaração de Santiago afirma que a América do Sul deve ser preservada como "zona de paz" e o respeito à integridade territorial doa países da região. 

"Reafirmamos que o processo de construção de um espaço de coordenação, cooperação e integração regional deve respeitar a integridade territorial dos Estados, o direito internacional e a segurança, e estar comprometido com a preservação da América do Sul como Zona de Paz", diz o texto.

O Chile, autor da iniciativa, vai presidir o Prosur pelos próximos 12 meses. A seguir, a presidência será ocupada pelo Paraguai.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.