Defensora dos direitos das mulheres é morta na Colômbia

Supostos paramilitares direitistas mataram uma destacada defensora dos direitos das mulheres na cidade portuária de Barrancabermeja, que abriga a maior refinaria da Colômbia. Homens armados retiraram Esperanza Amaris, 40 anos, à força de sua casa. Ela era a líder local da Organização Popular Feminista. Esperanza foi morta a tiros, disse a porta-voz da organização, Yolanda Becerra.Segundo ela, a filha de Amaris também foi espancada. "Eles a mataram porque ela não iria ficar calada", disse Becerra. Testemunhas indentificaram os atacantes como membros da facção paramilitar local, acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.