Defesa de Berlusconi convoca estrelas

Cristiano Ronaldo e George Clooney seriam testemunhas em caso de prostituição

O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2011 | 03h05

A defesa do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi pode convocar o ator George Clooney e o jogador de futebol Cristiano Ronaldo para testemunhar no processo contra ele por prostituição de menores e abuso de poder. Eles estão na lista de 74 testemunhas apresentadas pela defesa e aprovadas pela Justiça para o "Rubygate", como é conhecido o caso envolvendo Berlusconi e a marroquina Karima el-Mahroug, conhecida como Ruby.

O ex-premiê é acusado de pagar por relações sexuais quando a jovem era menor - Ruby tinha 17 anos. Valendo-se de sua condição de chefe de governo, Berlusconi também teria interferido pessoalmente na libertação da jovem, quando ela foi detida por roubo. Segundo ele, Ruby seria sobrinha do ex-ditador egípcio Hosni Mubarak.

Ao aceitar as testemunhas, o tribunal concorda que o depoimento delas é relevante, embora seja permitido reduzir, posteriormente, o número de depoentes ou deixar de chamar alguém após constatar que o depoimento já não é mais necessário.

Clooney e sua ex-namorada, a modelo italiana Elisabetta Canalis, foram citados por Ruby como convidados das festas de Berlusconi. Ambos negam a participação. O representante de Clooney, Stan Rosenfield, afirmou que o ator americano visitou Berlusconi em sua residência uma única vez, para falar dos problemas na região sudanesa de Darfur.

Já o craque português do Real Madrid foi convocado pela defesa para questionar a credibilidade de Ruby. Em interrogatório, ela afirmou ter passado uma noite com Cristiano Ronaldo por 4 mil. Eles teriam se encontrado numa danceteria em Milão. O jogador também nega o envolvimento com Ruby.

Entre as testemunhas indicadas, o Tribunal de Milão aceitou 214 nomes, incluindo o de 32 jovens que teriam participado das festas "bunga-bunga" organizadas na residência do ex-premiê, nos arredores de Milão. O empresário italiano Flavio Briatore, ex-chefe de equipe de Fórmula 1, também está entre as testemunhas aceitas pela Justiça. Todos devem comparecer às audiências a partir do dia 2.

Os promotores italianos afirmam que o ex-premiê pagou 13 vezes para manter relações sexuais com Ruby mesmo sabendo que ela era menor. Berlusconi, envolvido em mais de 50 processos judiciais ao longo de sua carreira política, alega inocência e se diz perseguido pela Justiça e pela esquerda italiana. Agora, seus advogados afirmam que ele comparecerá a todas as sessões para provar sua inocência. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.