Defesa de papel global dos EUA

Samantha Power é uma das principais vozes do chamado "intervencionismo liberal": escola segundo a qual os EUA têm a obrigação moral e política de intervir para impedir que ocorram violações em massa, como genocídios. Funcionária do Conselho de Segurança Nacional, ela chefia o Comitê de Prevenção de Atrocidades criado pelo governo de Barack Obama. Como repórter do Washington Post, Samantha testemunhou os horrores da Guerra dos Bálcãs. Depois, escreveu livros de sucesso, como a biografia do brasileiro Sérgio Vieira de Mello e o ganhador do Prêmio Pulitzer Genocídio, sobre a apatia dos EUA diante de crimes em massa em países como a Alemanha nazista, Laos, Ruanda e Bósnia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.