Defesa de Saddam apresenta provas sobre morte de curdos

Os advogados da acusação no julgamento do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein e seis de seus antigos assessores apresentaram nesta quinta-feira ao tribunal novos elementos quecomprovariam a fabricação de armas químicas pelo Ministério da Defesa iraquiano na época. Segundo fontes judiciais, a acusação afirmou que as armas químicas foram utilizadas contra os curdos durante a campanha Al-Anfal, lançada pelo Exército de Saddam entre 1987 e 1988 no Curdistão iraquiano. A sessão de hoje é a 33º desde o início do processo, em 21 de agosto. Nas sessões de terça e quarta-feira, a acusação apresentou outros documentos, entre os quais uma gravação na qual aparecem vários corpos de civis no Curdistão durante a ofensiva de Al-Anfal.As imagens, mostradas na sala diante do juiz e dos acusados, mostraram corpos de mulheres, crianças e homens espalhados pelo local, mortos provavelmente em decorrência da utilização de armas químicas. Segundo a Promotoria, cerca de 182 mil curdos morreram ou desapareceram durante a ofensiva militar e 4 mil aldeias foram destruídas. O processo pelo caso da Al-Anfal já é o segundo aberto contra Saddam, depois de o ex-ditador ter sido condenado em novembro à forca, junto com dois de seus ex-colaboradores, pelo envolvimento no massacre de 148 xiitas na aldeia de Dujail, ao norte de Bagdá, em1982.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.