Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Delanoe queria que prefeitura fosse frequentada pelos parisienses

O prefeito Bertrand Delanoe queria que o prédio da prefeitura fosse um local frequentado pela população, motivo que o levou a abrir o local para os parisienses no último final de semana com música e champanhe - e sem detectores de metal e revista nos presentes. Ele pagou o preço por essa abertura quando um homem com uma faca em punho o esfaqueou. O ataque a Delanoe foi o terceiro atentado a autoridades do alto escalão desde março, e está levando a França a se perguntar se o contato público é seguro para líderes políticos eleitos. A polícia estava interrogando um suspeito nesta segunda-feira, enquanto Delanoe, de 52 anos, se recuperava num hospital de Paris. Ele foi submetido a uma cirurgia de três horas para tratar dos ferimentos no abdome, provocados pelas facadas. Ele deve permanecer no hospital por pelo menos uma semana. O suspeito, Azedine Berkane, de 39 anos, acusado de atacar o prefeito, um homossexual assumido, em meio ao público da festa da "Noite em Claro", no prédio da prefeitura, disse aos investigadores que não gosta de políticos e de homossexuais, informou a polícia. Berkane compareceu perante um juiz hoje e foi formalmente colocado sob investigação - um passo antes de ser indiciado - por "tentativa de assassinato", afirmaram as autoridades judiciárias. Os promotores suspeitam que o ataque tenha sido premeditado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.