Delegação da UE chega a Teerã

Uma delegação da União Européia (UE) chegou esta tarde a Teerã, após passar pelo Paquistão, em busca de apoio do Oriente Médio aos esforços dos EUA para caçar e prender os responsáveis pelos ataques terroristas ocorridos no dia 11 em Nova York e Washington. A delegação, chefiada pelo ministro de Relações Exteriores da Bélgica, Louis Michel, deverá encontrar-se com autoridades do governo iraniano antes de prosseguir viagem para a Arábia Saudita à noite, para mais negociações. Pela manhã, 210 parlamentares iranianos alertaram Washington com relação a uma ação militar unilateral contra o Afeganistão, informou a agência de notícias oficial Islamic Republic. "Os ataques terroristas contra os EUA causaram revolta contra o terrorismo na comunidade internacional e no Irã... mas a repetição de catástrofes humanas também é condenável", disse o grupo em uma nota divulgada pela agência. "Não há dúvidas que uma ação retaliatória militar de Washington (no Afeganistão) não pode ser considerada como uma medida precisa para combater o terrorismo", acrescenta a nota. O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Jack Straw, partiu hoje para Israel após sua "histórica" visita ao Irã, que terminou com uma pequena esperança que Teerã mude sua posição em apoiar uma aliança liderada pela ONU contra o terrorismo, ao invés de uma coalizão global liderada pelos EUA. Straw, a maior autoridade britânica a visitar o Irã desde a revolução islâmica de 1979, disse durante uma entrevista coletiva em Teerã que "estamos juntos na oposição ao terrorismo". Tanto a Grã-Bretanha como o Irã estão de acordo que uma ação internacional deve ser tomada contra o terrorismo, mas Teerã declarou que quer a ONU e não os EUA na liderança de qualquer aliança. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.