Delegação sul-coreana tenta libertar reféns no Afeganistão

Uma delegação do governo sul-coreanochegou ao Afeganistão neste domingo para tentar garantir alibertação de 23 de seus conterrâneos sequestrados porinsurgentes do Taliban que exigem que Seul retire suas tropasdo país. O porta-voz do Taliban Qari Mohammad Yousuf disse que osinsurgentes começarão a matar os reféns se a Coréia do Nortenão concordar em retirar seus 200 engenheiros militares emédicos às 11h30 deste domingo (horário de Brasília) e se ogoverno afegão não libertar prisioneiros do Taliban. O governo sul-coreano disse que vai retirar suas tropas nofinal deste ano, conforme o planejado. A delegação de oito autoridades sul-coreanas, incluindo umvice-ministro do exterior, um assessor especial do presidente ediplomatas do ministério do exterior, se encontrará comautoridades afegãs durante o dia. Não ficou claro se tentarãofazer contato com os sequestradores, ou se tentarão negociar alibertação. O porta-voz do Taliban disse que os reféns estão sendovigiados por combatentes em lugares diferentes e que qualquertentativa de libertá-los com uso da força colocará a vida doscoreanos em risco. A missão sul-coreana ganhou mais urgência depois que umporta-voz do Taliban afirmou que militantes mataram dois refénsalemães no sábado, depois que Berlim recusou-se a aceitar asexigências de retirar suas tropas do Afeganistão. Autoridades alemãs lançaram dúvidas sobre a autenticidadedo porta-voz do Taliban e o ministro do exterior, Frank-WalterSteinmeier, disse que analistas sugeriram que um dos refénsestá vivo e que outro morreu de "estresse e tensão". Os 23 coreanos pertencem à "Igreja Saemmul", de Bundang,cidade nos arredores da capital sul-coreana, Seul. A maioira está na casa dos 20 e 30 anos de idade. Entreeles há enfermeiras e professores de inglês. O presidente daCoréia do Sul, Roh Moo-hyun, disse no sábado que os coreanosestavam fornecendo apenas serviços médicos e educativosgratuitos, sem intenções missionárias. Os coreanos formam o maior grupo de estrangeirossequestrados até agora na campanha do Taliban para derrubar ogoverno apoiado pelo ocidente e forçar a saída das tropasestrangeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.