Demência apressa ocaso político de Pinochet

A demência tirou definitivamente da vida política o ex-ditador chileno Augusto Pinochet porque, apesar de a Justiça o ter eximido temporariamente, sua deterioração é irreversível e progressiva, na opinião dos médicos. O poderoso general que governou ditatorialmente o Chile durante 16 anos e meio, que comandou o Exército por um quarto de século, que negou-se a renunciar à liderança militar em 1990 e transformou-se em senador vitalício por obra de sua Constituição passa paulatinamente ao esquecimento. "Decisão põe fim à vida política de Pinochet", sentenciou o jornal La Tercera na manchete de sua edição desta terça-feira. E a opinião pública parecia concordar com o título, pois as manifestações desta segunda, a favor ou contra a decisão, foram protagonizadas apenas por dezenas de pessoas. Ainda nesta terça-feira, a juíza argentina María Servini de Cubría, encarregada da investigação do assassinato em Buenos Aires do ex-comandante-chefe do Exército chileno Carlos Prats, solicitou à Justiça chilena interrogar pessoalmente o ex-ditador Augusto Pinochet, dois ex-membros da polícia política Dina e um ex-coronel. Eles são acusados de envolvimento no atentado à bomba que matou Prats e sua mulher, Sofía Cuthbert, em 1974.A mesma juíza já interrogou e processou pelo mesmo caso o ex-chefe da Dina Manuel Contreras e outros quatro oficiais e enviou em maio ao Chile pedido de extradição dos cinco. Nesta terça-feira, um dia depois de a Corte de Apelações de Santiago ter decidido suspender temporariamente os processos contra Pinochet, por considerá-lo mentalmente incapaz de ir a julgamento, a Justiça recusou o pedido, feito por seus advogados, de que fossem revogados os casos contra ele por encobrimento de 75 assassinatos e desaparecimentos durante o regime militar (1973-1990). O promotor público do Chile, Alex Carocca, disse nesta terça que considera a decisão da corte "parcialmente inconstitucional", fato que animou o advogado de acusação Eduardo Contreras, que prepara três recursos contra o arquivamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.