Demitido por 'espionagem' chefe da polícia na Argentina

O chefe da polícia metropolitana de Buenos Aires, Osvaldo Chamorro, foi demitido sob a acusação espionar a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, deputados e outros funcionários, anunciou hoje o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri.

AE-AP, Agencia Estado

17 Novembro 2009 | 20h07

O secretário de Segurança de Buenos Aires, Guillermo Montenegro, anunciou em coletiva de imprensa que Macri, que atualmente está na Espanha, tomou a decisão, mas esclareceu que Chamorro não cometeu um delito, sim um ato pouco ético ao investigar o patrimônio de alguns políticos, usando para isso um software de acesso público.

"Não é ilegal e não é espionagem porque a informação é pública, embora não seja ético", disse o secretário de Macri, que é um dos principais opositores de Cristina.

Chamorro ocupava o cargo de subchefe de polícia, mas na realidade atuava como titular da força após o seu antecessor, Jorge Palacios, ter se demitido há alguns meses. Um juiz federal argentino investiga se Chamorro espionou o chefe de gabinete da prefeitura, Horácio Rodríguez Larreta, vereadores, a presidente Cristina e seu marido e antecessor, Néstor Kirchner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.