Democrata acusa Bush de tentar politizar debate sobre o Iraque

O líder da maioria democrata no Senado, Tom Daschle, acusou hoje o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, de estar tentando politizar o debate sobre uma guerra contra o Iraque e exigiu que ele peça desculpas por sugerir que os democratas não estão interessados na segurança do povo norte-americano. "Isto é incorreto", disse Daschle num discurso no Senado. "Não podemos politizar essa guerra. Não podemos politizar a retórica sobre guerra e vida e morte. Você diz àqueles que lutaram no Vietnã e na Segunda Guerra Mundial que eles não estão interessados na segurança do povo americano porque eles são democratas. Isso é um ultraje. Ultraje."Daschle fez a declaração enquanto líderes do Congresso negociavam com o governo os termos de uma resolução que autorizaria o presidente a usar a força para eliminar as armas de destruição em massa do líder iraquiano Saddam Hussein. Apesar de preocupações entre alguns democratas, Daschle e o líder democrata na Câmara dos Representantes, Dick Gephardt, têm manifestado apoio a tal resolução, que deve ser aprovada antes que o Congresso entre em recesso para as eleições de novembro. Estrategistas políticos democratas têm expressado preocupação de que o debate nacional sobre o Iraque esteja ofuscando questões domésticas na campanha.Bush voltou a dizer hoje que está determinado a combater o terrorismo em duas frentes - o Iraque, de Saddam, e a rede Al-Qaeda, de Osama Bin Laden, porque "os dois são igualmente maus, e igualmente malignos, e igualmente destrutivos". Bush foi perguntado se agora acredita que Saddam é uma ameaça maior para os EUA do que a rede terrorista Al-Qaeda. Após uma longa pausa, ele disse: "Esta é uma pergunta interessante. Estou tentando pensar em algo bem humorado para dizer, mas não posso quando penso na Al-Qaeda e Saddam Hussein". "O perigo é que a Al-Qaeda torne-se uma extensão da loucura de Saddam e de seu ódio e de sua capacidade de disseminar armas de destruição em massa em todo o mundo. Precisamos lidar com ambos".Democratas afirmam que o esboço de proposta que Bush enviou ao Congresso na semana passada dá autoridade ilimitada ao presidente para usar a força militar contra o Iraque - unilateralemente se necessário -, derrubar Saddam do poder e garantir a paz na região."Deveríamos estar tratando com uma coalizão ao invés de irmos sozinhos", considerou o senador Richard Durbin, um democrata de Illinois. "Se não tivermos uma coalizão, corremos o risco de expandir oportunidades para o terrorismo em todo o mundo contra os Estados Unidos".O presidente da Comitê de Relações Internacionais, Henry Hyde, um republicano de Illinois, ofereceu uma proposta conciliadora que deixa claro que qualquer uso da força para restaurar a estabilidade regional deve vir em conjunto com resoluções da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.