Democrata reeleito de Iowa se lança à Casa Branca

O governador reeleito do Iowa, Tom Vilsack, tornou-se nesta quinta-feira, 9, o primeiro democrata a anunciar sua candidatura às eleições presidenciais americanas de 2008, nos Estados Unidos. "Os americanos enviaram um clara mensagem na terça-feira. Querem líderes que levem este país para outra direção, compartilhem seus valores, compreendam suas necessidades e respeitem sua inteligência", disse Vilsack, de 55 anos, no comunicado em que anunciou sua intenção de abrir um comitê eleitoral para a campanha de 2008 - requisito prévio para o registro da candidatura. Depois das eleições de terça, os democratas passarão a controlar 28 dos 50 Estados americanos, o que normalmente se reverte em vantagem nas corridas presidenciais. eleitorais. Dos últimos cinco presidentes dos EUA, quatro chegaram à Casa Branca após serem governadores: George W. Bush (Texas), Bill Clinton (Arkansas), Ronald Reagan (Califórnia) e Jimmy Carter (Geórgia). Na terça-feira, o Partido Democrata tomou dos republicanos os governos de Massachusetts (Deval Patrick), Ohio (Ted Strickland), Nova York (Eliot Spitzer), Colorado (Bill Ritter), Arkansas (Mike Beebe) e Maryland (Martin O´Malley). Mas, além de Vilsack, o único outro governador democrata a mencionar a pretensão de disputar as primárias presidenciais do partido foi Bill Richardson, reeleito no Novo México. "Considero muito importante o fato de termos conquistado um número maior de governos estaduais nestas eleições", declarou Richardson, que - apesar da aspiração - não tomou ainda nenhuma medida formal para o lançamento de sua candidatura. "Importante para a corrida presidencial de 2008, para a redistribuição do Congresso e para a mudança da política do poder federal para os Estados." Embora a eleição de terça tenha consagrado o nome de vários governadores, os mais prováveis pré-candidatos democratas às eleições presidenciais vêm do Senado: A ex-primeira-dama e senadora reeleita Hillary Clinton e o senador Barack Obama - cujo cargo não estava em disputa nestas eleições. Os democratas estarão a cargo, após a posse dos novos governadores em janeiro, de Estados que, somados, têm 295 delegados do Colégio Eleitoral que escolherá o próximo presidente do país. Vinte e cinco votos a mais do que o número necessário para a unção do presidente. Só os seis Estados tomados dos republicanos na terça-feira somam 88 votos. Esse cálculo, que leva em conta apenas o partido do governador de cada Estado, dá os 55 votos do Colégio Eleitoral da Califórnia - o mais rico e mais populoso dos EUA - para os republicanos. No entanto, o ex-astro de Hollywood republicano Arnold Schwarzenegger só foi reeleito no Estado depois de afastar-se do presidente George W. Bush, criticando as políticas federais para o setor energético e meio ambiente. Nesta quinta, Schwarzenegger deixou ainda mais claro esse distanciamento e disse que a vitória da oposição democrata era bem-vinda. "Acho bom que tenhamos sangue novo chegando a Washington, com novas pessoas e novas idéias, pois Washington estava atolado", disse.

Agencia Estado,

09 Novembro 2006 | 21h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.