Democrata se desculpa por ofensa à mulher de Romney

Busca pelo voto feminino faz estrategista de Obama ser criticada até pelos próprios companheiros de partido

GUSTAVO CHACRA , CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2012 | 03h07

A campanha do presidente Barack Obama pediu desculpas ontem por uma estrategista democrata ter feito críticas na internet a Ann Romney, mulher do pré-candidato republicano Mitt Romney. Ela afirmou que Ann nunca trabalhou na vida e, por isso, não poderia comentar sobre economia.

"Eu discordo fortemente de Hillary Rosen", afirmou Jim Messina, um dos dois comandantes da campanha de Obama, ao referir-se à estrategista democrata que realizou os ataques a Ann Romney. David Axelrod seguiu a mesma linha e classificou os comentários de "inapropriados e ofensivos". A polêmica ocorre no momento em que Romney luta para conquistar o voto feminino. Para isso, ele aposta na ajuda de Ann.

Voto feminino. De acordo com pesquisas, a vantagem de Obama sobre o republicano entre as mulheres é de cerca de 16 pontos porcentuais, acima da média geral dos eleitores.

A mulher de Romney disse no Twitter ter feito a opção de ficar em casa e criar cinco filhos. "Acreditem, é um trabalho duro", afirmou. "Minha escolha profissional foi a de ser mãe."

Ex-campeã de hipismo, Ann recuperou-se de duas doenças graves: a esclerose múltipla e o câncer de mama. Ela doou parte da fortuna de seu marido para pesquisas e realiza palestras motivacionais.

Depois de receber a bronca pública de seus chefes, Rosen tentou amenizar a polêmica no Twitter. "Ann Romney, eu te admiro. Mas seu marido não deveria falar que você é uma especialista em mulher e economia", afirmou.

A estrategista também pediu desculpas a quem quer que tenha se ofendido com suas declarações. A primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, escreveu em sua conta no Twitter: "Toda mãe trabalha duro e toda mulher merece ser respeitada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.