Ted S. Warre
Ted S. Warre

Democratas concentram-se no Senado

Com disputa pela Câmara complicada nos Estados, partido de Obama intensifica campanha para manter maior bancada de senadores

Gustavo Chacra CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2010 | 00h00

Com a perda da maioria na Câmara dos Deputados considerada praticamente irreversível, os democratas intensificaram os esforços para não perder o controle no Senado, evitando que os republicanos dominem todo o Congresso. Nos últimos dias, até o presidente Barack Obama envolveu-se diretamente na campanha em Estados onde ainda consegue exercer influência, apesar da queda em sua popularidade.

Pesquisas indicam que a iniciativa democrata começa a surtir efeito, com alguns candidatos ao Senado voltando a ter possibilidade de vencer a disputa com os rivais do Partido Republicano. De acordo com levantamento do Real Clear Politics, já há empate em alguns Estados onde os republicanos lideravam por ampla margem.

No Colorado, a vantagem do republicano Ken Buck sobre o democrata e atual senador Michael Bennet caiu para 3 pontos porcentuais, depois de atingir os dois dígitos há poucas semanas.

Um cenário quase idêntico é observado na Pensilvânia, na disputa entre Joe Sestak (do Partido Democrata) e Pat Toomey (do Partido Republicano).

Ao mesmo tempo, os democratas precisam lutar para não perder cadeiras no Senado que até poucos dias estavam garantidas. Os republicanos conseguiram reduzir a diferença na Califórnia e em Washington, onde a pesquisa indica empate técnico. Um dos riscos seria a senadora democrata Barbara Boxer perder a eleição para Carly Fiorina. O mesmo vale para Patty Murray no Estado de Washington contra o republicano Dino Rossi.

Obama encontrou-se ontem com eleitores em Seattle para pedir votos para os democratas. Apelando à sua base, ele abordou a crise econômica e a importância das mulheres."Quando você fala sobre o que aconteceu com a classe média, você fala sobre o que ocorreu com as mulheres", disse o presidente, antes de se reunir com Murray para comício em uma universidade.

Hoje, na etapa californiana de sua viagem, Obama deve mais uma vez pedir aos jovens e negros que saiam para votar em Barbara Boxer no dia 2. Esses dois grupos votaram em massa para o presidente nas eleições de 2008. Atualmente, os democratas têm 58 das 100 cadeiras no Senado, além da de Joe Lieberman, que costuma votar sempre com o partido. Alguns analistas dizem que, no atual cenário, existe o risco de os democratas verem os republicanos com uma maioria simples de 51 senadores ou até mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.