Democratas garantem voto decisivo para reforma da saúde no Senado dos EUA

Partido de Obama afirma ter 60 votos necessários para aprovar projeto que deve ser votado nesta semana.

BBC Brasil, BBC

19 de dezembro de 2009 | 21h36

A maioria democrata no Senado dos Estados Unidos afirma ter conseguido assegurar os votos necessários para aprovar a reforma da saúde proposta pelo presidente Barack Obama, depois que o senador conservador Ben Nelson, cujo voto é considerado decisivo, anunciou neste sábado que vai apoiar o projeto.

Nelson, que é senador democrata pelo Estado de Nebraska e um forte opositor do aborto, havia colocado em dúvida seu apoio à reforma por temor de que recursos federais fossem usados para financiar abortos.

No entanto, após 13 horas de negociações na sexta-feira, Nelson obteve algumas garantias por parte de líderes do partido - como restrições ao aborto e mais fundos para seu Estado - e acabou cedendo e garantindo seu apoio.

Com o apoio de Nelson, os democratas somam os 60 votos necessários para bloquear possíveis vetos da oposição republicana e levar a reforma adiante.

Prioridade

Após o anúncio, Obama disse que a decisão do senador significa que, depois de quase um século de luta, a reforma da saúde está próxima de se tornar uma realidade nos Estados Unidos.

Segundo o correspondente da BBC em Washington Imtiaz Tyab, os aliados de Obama no Senado devem conseguir aprovar a reforma antes do Natal.

A reforma da saúde é uma das prioridades do presidente americano, mas enfrenta forte resistência da oposição republicana.

Caso seja aprovada, será a reforma mais radical no sistema de saúde dos Estados Unidos em décadas e irá fornecer cobertura de saúde a milhões de americanos atualmente fora do sistema.

Depois que o Senado votar sua versão do projeto, uma comissão formada por parlamentares das duas Casas deve trabalhar em uma versão conjunta. Caso essa versão conjunta seja então aprovada pelo Senado e pela Câmara dos Representantes, será enviada ao presidente Obama para ser sancionada.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.